Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

A escassez de peças que ameaça o mercado de processadores fez duas das principais fabricantes de celulares, Oppo e Xiaomi, se movimentarem para não correrem riscos de ficarem sem chips no futuro. Segundo apurado pela publicação especializada em semicondutores Digitimes, as duas empresas, assim como a Unisoc, fabricante independente de semicondutores, estariam trabalhando em seus próprios chips compatíveis com a tecnologia 5G.

A intenção das marcas seria, além de criar a própria cadeia de abastecimento, como faz a Samsung com o Exynos, brigar por um mercado que hoje é praticamente dividido pela Qualcomm e pela MediaTek, responsáveis pelas produções dos modelos Snapdragon e Dimensity. O projeto também tem um fundo de preocupação com possíveis sanções, como as aplicadas pelos Estados Unidos em cima da Huawei, que não teve mais autorização para usar peças do país e, com isso, viu suas vendas despencarem globalmente.

publicidade
Xiaomi já mostrou preocupação

Não faz muito tempo que o presidente da Xiaomi, Wang Xiang, escancarou sua preocupação com a possível falta de processadores para smartphones ainda em 2021. Por conta disso, acaba não sendo surpresa a informação divulgada nesta sexta-feira (09/04) de que a Xiaomi está disposta a começar sua própria produção de chips, carregando consigo outras marcas, como a Oppo.

Os chips seriam compatíveis com redes 5G sub-6Ghz, e começariam a ser lançados em larga escala entre o fim de 2021 e os primeiros meses do ano que vem. Recentemente, a Xiaomi até anunciou o lançamento de um novo processador, o Surge C1, mas com outra finalidade. O Surge C1 é, na verdade, um chip de processamento de sinal de imagem (ISP), que usa menos processamento de memória e é uma evolução do Surge S1, lançado há quatro anos.

O Surge C1 foi resultado de um trabalho de dois anos com um investimento de cerca de 140 milhões de yuans da empresa em seu departamento de P&D, que seriam quase R$ 123 milhões em nossa moeda. Lei Jun, co-fundador da Xiaomi, confirmou hoje que, apesar dos contratempos, o desenvolvimento dos chips Surge continuará no futuro. Assim como, aparentemente, os chips próprios tanto da Xiaomi quanto da Oppo para o mercado 5G.

Via Android Police e Android Authority

publicidade

Imagem: Pexels/Pixabay/CC