Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

A Vivo Global, fabricante de celulares xará da operadora de telefonia que atua no Brasil, está próxima de lançar o primeiro tablet da marca no mercado. Nesta sexta-feira (18/06) o futuro BW-B1 (nome provisório) passou pelo TUV Rheinland, indicando que a chegada às lojas está encaminhada.

O site de certificação que nasceu na Alemanha, mas também funciona na Ásia, revelou algumas das características que estarão presentes no primeiro tablet da Vivo. Um dos destaques, de acordo com o vazamento, será a capacidade da bateria, de 8040 mAh (a nominal é de 7.860 mAh).

publicidade

As informações que caíram na rede nesta sexta também apontaram que o tablet deverá ter 11 polegadas, design de tela cheia e proporção de tela similar à apresentada pelo iPad, da Apple. A marca chinesa também estaria adotando um módulo de câmera na parte traseira, que também traria o logotipo VIVO grafado no tablet.

Mercado aquecido

A chegada do primeiro tablet da Vivo colocará lenha na fogueira em um mercado que já estava com a promessa de ficar bem aquecido em 2021. Além da fabricante chinesa, a Apple, com o novo iPad, a Samsung, com o Galaxy Tab 7, e outras marcas confirmaram que lançarão novos produtos para o segmento.

Imagem mostra como será o primeiro tablet lançado pela Vivo

Entre elas, podemos lembrar da Xiaomi, com o Mi Pad 5, confirmado no início de 2021, mas ainda sem data de lançamento estabelecida, do Realme Pad e dos modelos novos da Lenovo, dona da Motorola, e da Huawei. Atualmente, a Apple lidera o mercado de tablets, com 37% do mercado contra 20% da Samsung e 9% da Lenovo.

publicidade

A Vivo, com o primeiro tablet da marca, parece estar se preparando para a briga. Para isso, no entanto, a empresa chinesa terá que inovar, ou equipar o dispositivo com configurações à altura dos principais concorrentes, e não para ser “apenas mais um” em um segmento cada vez mais competitivo.

Via Xiaomi Today