Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Nós ainda não sabemos como os iPhone 13 chegarão ao mercado, e mesmo assim, já tem analista trazendo bastidores com as mudanças para a próxima geração que só vai chegar em 2021, o iPhone 14. Pois é: Ming-Chi Kuo, que tem boa reputação quando o assunto é Apple, traz os primeiros detalhes dos modelos de 2022. E avisamos: as mudanças poderão ser grandes.

Para começar, a Apple promoveria uma mudança no catálogo dos iPhone na geração do ano que vem: sairia de cena um modelo Mini para dar espaço a uma variante Max. As baixas vendas do iPhone 12 Mini podem incentivar a companhia a tomar essa decisão, enquanto os dados não eram suficientes para ela retirar o modelo mais compacto do seu catálogo em 2021. Curiosamente este modelo terá as mesmas 6,7 polegadas do eventual iPhone 14 Pro Max. Só que seus recursos similares ao modelo “básico” do ano jogariam seu preço para a faixa dos US$ 900.

publicidade
Tela grande, mas nada Pro

Sendo assim, pela primeira vez a Apple teria um iPhone de 6,7 polegadas por menos de US$ 1.100. Porém, vale destacar que ele não traria os recursos dos Pro, como câmera de zoom óptico. Para as variantes mais avançadas de 2022, estão previstas mudanças como a substituição da lente ultra-wide de 12 megapixels por uma de 48 MP. Estes também poderiam filmar em 8K.

O analista do mercado financeiro também reforça que, em 2022, mudanças do iPhone deverão incluir a presença do Touch ID sob a tela. No campo dos rumores isto já é bastante comentado. A dúvida é se a tecnologia seria exclusiva para os 14 Pro e Pro Max, ou todos os modelos. Ming-Chi Kuo também levanta a possibilidade da empresa acabar com o notch e substituí-lo por um discreto furo — lembrando que o iPhone 13 poderá trazer um notch menor já em 2021.

Mudanças discretas para 2021?

A avalanche de possibilidades que o analista oferece, se forem confirmadas daqui a 15 meses, mostraria que para 2021 a empresa optaria por mudanças mais discretas, deixando uma série de novidades de design e recursos para 2022. Talvez por isso a TrendForce acredite que em setembro conheceremos os iPhone 12s, e não o iPhone 13.

Se a mudança de catálogo do iPhone incluir mesmo um modelo Max a US$ 900 e demais preços permanecerem inalterados, a companhia traria uma “escadinha” de preços que aumentam de US$ 100 em US$ 100. US$ 800 pelo iPhone mais simples do ano, US$ 900 por uma tela maior, US$ 1 mil para começar no segmento mais premium da Apple, e US$ 1,1 mil pelo modelo mais completo.

publicidade

Via 9to5Mac e Fast Company