Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Após vazamentos que anteciparam seu preço salgado e também seu recurso de cancelamento ativo de ruídos, o fone de ouvido Bluetooth Sony WF-1000XM4 foi finalmente anunciado. O modelo traz vários avanços em relação ao seu antecessor, como suporte à tecnologia Hi-Res, proprietária da empresa japonesa, som ambiente adaptativo, e um design reformulado.

Em primeiro lugar, é importante lembrarmos que o mercado de música tem buscado emplacar o som Hi-Fi, ou seja, sem compressão do arquivo, permitindo áudio de alta fidelidade em relação à gravação original. A maioria esmagadora dos fones Bluetooth não suportam o playback em alta definição, por razão simples: a banda disponível para dados. O WF-1000XM4 tem suporte ao codec proprietário LDAC da Sony, comercialmente chamado de Hi-Res. Segundo a empresa, ele consegue carregar três vezes mais dados pelo mesmo canal, permitindo assim música lossless sem fio.

publicidade

Outro recurso que o fone sem fio oferece é a reconstrução, via algoritmo, de música compactada em arquivos de maior qualidade. Aqui o trabalho é artificial e testes dirão melhor como a função se comporta. Ainda em ferramentas de som, o WF-1000XM4 tem compatibilidade com o 360 Reality Audio, o áudio espacial da japonesa, presente em outros produtos da marca. Vale lembrar que a Apple mexeu com esse mercado ao liberar Dolby Atmos e áudio espacial sem custos extras no Apple Music.

Inteligência artificial

O cancelamento ativo de ruído é outro que se apoia em algoritmo para diminuir as configurações manuais do usuário. Um vídeo divulgado pela Sony mostrou que seu fone com suporte a Hi-Res consegue identificar o tipo de som do espaço pelos quatro microfones — dois em cada plugue — e, a partir disso, calibrar a escuta do usuário. Por exemplo, um anúncio sonoro no metrô ganha prioridade nos fones. Mas o barulho de trânsito é deixado em segundo plano, isolando melhor a música.

Este algoritmo ajuda, inclusive, o WF-1000XM4 a compreender quando você precisa responder alguém. O chamado “Speak to Chat” silencia a reprodução e permite que o utilizador responda sem ser necessário pausar manualmente ou tirar os fones do ouvido. Essa IA também reduz o barulho de vento nos fones, seja por um dia de clima atípico, seja durante a prática de uma corrida ou pedalada. Além disso, ele tem suporte para o Google Assistente e a Alexa.

publicidade
Design e bateria

As mudanças em relação ao antecessor também estão no design: além do Hi-Res e outras novidades, o Sony WF-1000XM4 receberam um novo visual, e são comercializados em preto e branco. Diminuíram de tamanho, e contam com 12h de reprodução se o cancelamento de ruído for deixado de lado. Com a função ativada, a autonomia é de 8h para cada plugue.

Fotos do fone Sony WF-1000XM4

A case, que carrega com e sem fio, fornece dois ciclos adicionais de bateria, e assim o WF-1000XM4 da Sony pode chegar a 36h ou 24h longe da tomada, por mais que não tenha sido explicitado se a função Hi-Res também tem impacto maior na autonomia. A japonesa diz que bastam cinco minutos com os fones na case para que 60 minutos de bateria sejam fornecidos.

É caro

Com um número interessante de diferenciais frente a outros fones TWS do mercado, o Sony WF-1000XM4 cobra caríssimo por oferecer Hi-Res, cancelamento inteligente de ruído, e seus outros recursos. São US$ 280 (R$ 1.410 em conversão direta hoje, 08/06) lá fora. É provável que o modelo brigue com fones como os AirPods Pro (US$ 250) e Galaxy Buds Pro (US$ 200), e outros menos caros.

Fotos do fone Sony WF-1000XM4

 

O último fone intra-auricular TWS da empresa no Brasil foi o Sony WF-1000Xm3, que chegou a R$ 1.299. Com o encerramento das operações da japonesa no Brasil, é improvável que o seu sucessor seja lançado oficialmente em território nacional, o que é uma pena, mesmo considerando seu preço.

Via GSM Arena