Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Enquanto vazamentos do Huawei P50 Pro evidenciam um módulo de câmeras poderoso como o esperado, a realidade do Huawei P50 poderá ser um pouco diferente. Novas informações de bastidores apresentam as primeiras renderizações do smartphone, com um módulo de câmeras grande, que conta com outros dois sub-módulos de lentes.

Apesar do visual chamativo, o insider Waqar Khan aponta que o produto não terá uma lente periscópica para zoom, mas trará um sensor telefoto. Na prática, o aparelho terá aproximação óptica sem perda de qualidade, mas bem mais limitada. No nosso artigo sobre o tamanho da caixa de lentes do Mi 11 Ultra explicamos o porquê da tecnologia periscópica conseguir apresentar resultados tão eficientes.

publicidade

Ainda sem grandes especificações reveladas acerca de suas lentes (como megapixels, abertura, e a fornecedora delas), o Huawei P50, segundo o vazamento, terá — além do sensor principal e telefoto — lente ultra-wide e um último sensor não especificado. Outra diferença do dispositivo frente aos seus futuros irmãos mais robustos envolve a tela, que seria plana. Por último, o processador deverá ser o Kirin 9000, mesmo utilizado na linha Mate 40.

Adiado para maio e quem sabe sem Android

Adiada possivelmente para maio, a linha Huawei P50 poderá oferecer como sistema operacional o HarmonyOS, SO proprietário da chinesa, segundo vazamentos. A boa notícia para quem se preocupa com a compatibilidade de apps é que o sistema deverá ser capaz de trabalhar com aplicativos Android.

No esforço de estancar as perdas causadas pelas sanções norte-americanas — que levou a companhia a interromper sua parceria com o Google — a Huawei até mesmo vem colocando bastante dinheiro na sua própria Play Store, a AppGallery. Mesmo assim, sem o apelo da suíte Gmail, Mapas, Drive e tantos outros, a marca não vem conseguindo bons números fora dos mercados asiáticos.

publicidade

Vale lembrar, a marca voltou ao Brasil em 2019, e por aqui comercializa alguns smartphones que ainda podem trabalhar com a Play Store e outros, como a linha P30. Apesar disso, a estratégia nacional está concentrada na venda de vestíveis, como smartwatches e fones de ouvido sem fio.

Via Pocket Now

Imagem: Waqar Khan