Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

A Huawei quase superou a Samsung como a maior fabricante de smartphones dos Estados Unidos em 2020. Uma pesquisa com os dados de aparelhos enviados para os vendedores indicam que a empresa chinesa chegou a liderar o mercado americano de smartphones Android em alguns períodos do ano, mas as proibições impostas pelo governo acabaram impactando no seu crescimento. Samsung e Apple lideram o mercado global.

A fabricante chinesa está entre as empresas que mais cresceram na última década. Graças ao seu portfólio diversificado de aparelhos, em 2020, a Huawei superou sem dificuldades concorrentes como a Motorola e LG. A concorrência com a Samsung, no entanto, ainda é distante no ocidente.

publicidade

Conforme um levantamento realizado pelo instituto alemão Statista, especializado em dados do mercado de eletrônicos, fatores como impacto pandêmico na economia e no fornecimento e insumos para a produção contribuíram para que a Huawei se tornasse uma ameaça real para a Samsung em 2020, liderando o mercado americano em número de smartphones que chegaram às lojas.

Durante os três primeiros quadrimestres de 2020, a Huawei superou a Samsung nos Estados Unidos, com uma fatia de aproximadamente 40% de todas as remessas emitidas para o mercado contra 30% da Samsung.

No entanto, a partir de junho, quando o governo americano apertou as sanções que na prática suspendem o suporte de serviços dos Google nos aparelhos da Huawei no país, a história mudou, retomando a liderança para a Samsung.

Além disto, fora do território americano, a Huawei ainda sofre para se consolidar em relação às líderes de mercado. Na Europa, por exemplo, a fabricante chinesa passou o ano com uma média de 12%, enquanto Apple e Samsung possuem respectivamente 18% e 37% da fabricação de smartphones.

publicidade
Imagem mostra o gráfico de participação do mercado de smartphones de Apple, Huawei e Samsung na Europa - imagem mostra a Samsung e Apple na liderança. Imagem: Stadista

Gráfico de participação do mercado de smartphones de Apple, Huawei e Samsung na Europa. Samsung e Apple seguem na liderança. Imagem: Stadista

Dados refletem no número de produtos emitidos aos vendedores

Em um ano em que aparelhos como o Galaxy S20, Galaxy Note 20 e o iPhone 12 foram alguns dos mais falados entre o público, pode até parecer estranho pensar que a Huawei superou empresas como a Samsung e a Apple em vendas.

Na verdade, a metodologia utilizada pelo Stadista não reflete necessariamente nas vendas de um produto específico, mas na quantidade de remessas emitidas pelos fornecedores aos fabricantes. Deste modo, é natural compreender que empresas como a Huawei e a Samsung estejam à frente da Apple, por exemplo, tendo em vista que o número de aparelhos no portfólio das empresas é muito maior que o da empresa americana.

Deste modo, os dados apresentados pela pesquisa servem apenas para representar a parcela de produtos emitidos ao mercado de smartphones, sem expressar na prática o número de aparelhos vendidos. Em número de vendas, outras empresas como a Xiaomi também entram na disputa.

Para Samsung, crescimento da Huawei também é positivo

Apesar dos números positivos da fabricante chinesa em 2020, se engana quem pensa que a Samsung pode encarar a Huawei como uma ameaça.

A verdade é que o crescimento da fabricante chinesa também é benéfico para a Samsung. A fabricante coreana é a principal fornecedora de displays OLED da Huawei, de modo que a cada aparelho vendido pela concorrente, também incide em um lucro para si.

A atuação como fornecedora tem sido muito importante para a Samsung enquanto empresa, a ponto de a própria empresa ter intermediado a favor da Huawei no mercado americano, pedindo uma autorização para o Governo permitir que ela continuasse fornecendo painéis para a Huawei mesmo após as sanções impostas no país.

Além disto, recentemente a empresa anunciou uma nova fábrica na Índia dedicada inteiramente a produção de displays para smartphones.

Samsung lidera em telas dobráveis, mas perde para Apple em smartwatches

A pesquisa do Stadista também trouxe outros dados interessantes sobre o comportamento do mercado de eletrônicos em 2020. Apesar da boa performance da Huawei com o público americano, o Huawei Mate XS – celular dobrável da empresa não superou as vendas dos Samsung Z Fold.

Apear disto, ambas empresas perdem para a Apple quando o assunto são wearables. A fabricante do Apple Watch lidera o mercado de smartwatches com aproximadamente 28% do mercado. Em segundo lugar, está a Xiaomi com a linha Amazift e 23% de participação. Em seguida, vem a Huawei que superou a Samsung com 15% de vendas em relação aos 10% da concorrente.

Apple segue na liderança no mercado de smartwatches, sem seguida vem a Xiaomi com a linha Amazfit. Imagem: Stadista

Apple segue na liderança no mercado de smartwatches, sem seguida vem a Xiaomi com a linha Amazfit. Imagem: Statista

2021 será marcado pela disputa do 5G

Apesar das disputas na venda de aparelhos, o que definirá o sucesso de empresas como a Samsung e a Huawei em 2021 será a participação no fornecimento de peças e patentes para conexões 5G.

Com a chegada da nova tecnologia em praticamente todo o mundo, as empresas disputarão mercado para estabelecer parcerias comerciais na fabricação de antenas, modems e outros dispositivos. Neste aspecto, a Huawei fecha o ano na dependência de como o novo governo americano atuará em sua empreitada no ocidente.

Atualmente a empresa sofre severas críticas dos Estados Unidos que além de não permitir a sua atuação em território americano, também tem forçado países aliados e não fecharem acordos ou importarem a sua tecnologia. O Brasil é um deles.

Mesmo com as dificuldades no mercado internacional de smartphones, a Huawei segue como uma das principais empresas da China e não deve continuar a sua atuação no mercado sem muitas preocupações.

Via SamMobile