Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Após ter o Android restrito em seus dispositivos, a Huawei resolveu criar seu próprio sistema operacional como alternativa ao do Google, o HarmonyOS, que deve chegar a 300 milhões de dispositivos esse ano. Agora, novos vazamentos indicam que a versão final do HarmonyOS 2.0 deve ser lançada com dois novos tablets e dois smartwatches. Vale lembrar que a versão beta do novo sistema chegou em novembro do ano passado, e para smartwatches, no mês seguinte.

A ideia é mostrar como o sistema pode ser usado em diferentes plataformas. De acordo com leakers da rede social chinesa Weibo, os dois smartwatches devem ser sucessores do Huawei Watch 2, sendo o Huawei Watch e o 3 Pro. Agora os relógios devem vir com suporte para eSIMs e uma interface nova. Esses modelos devem herdar muito do que foi visto no Watch GT 2, que já usa uma versão personalizada do OS da Huawei.

publicidade

Após o MatePad, que vinha com o Android, mas sem os serviços do Google, a empresa deve lançar dois sucessores do tablet, o Huawei MatePad 2 e, adivinhe, o Huawei MatePad Pro 2. Ambos, obviamente, com o HarmonyOS 2.0. Os modelos devem vir com telas de 12,2 e 12,6 polegadas, mas não ficou claro qual é qual. Além disso, os tablets devem possuir um carregamento rápido de 40W.

Versão estável do HarmonyOS 2.0 deve chegar com o Huawei P50

Todos esses equipamentos devem ser apresentados em junho, com o Huawei P50, que, segundo rumores, já devia ter sido lançado, mas acabou adiado, e vai sair no meio do ano com a versão estável do novo sistema operacional da empresa chinesa. De qualquer forma, mesmo antes do lançamento, outras marcas chinesas já demonstraram interesse no sistema da Huawei. Isso pode ser motivado justamente pelo fato do novo sistema ser gratuito e de código aberto, ou quem sabe pelas outras fabricantes temerem sofrer sanções do Google, assim como ocorreu com a Huawei.

Via GSM Arena

publicidade