Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

O Clubhouse surgiu como febre no iOS, mas ficou devendo uma versão Android, que pode chegar em maio. A informação é do pesquisador independente Morgan Evetts, que vem acompanhando o desenvolvimento da plataforma de perto.

Foi descoberto que a programadora da versão para Android do Clubhouse usou seu Twitter para mostrar o avanço dos trabalhos. Ela inclusive mudou sua descrição na plataforma de voz, para refletir que agora utiliza um smartphone da linha Pixel ao invés de um iPhone para navegar por lá. Ao lado dela trabalha um outro programador. Aparentemente Mopewa Ogundipe e Harsan Sidhu são os dois desenvolvedores alocados nesse projeto para levar o serviço ao maior sistema operacional de dispositivos móveis.

publicidade

publicidade
Rivais já possuem seus próprios “Clubhouses”

Prometida desde o começo do ano, a versão para Android do Clubhouse promete trazer a febre das salas de conversa por voz para usuários distintos, desde aqueles que possuem um smartphone de entrada até os usuários de flagships. Porém, Twitter, Discord, Telegram e tantos outros já observaram que o sucesso do Clubhouse é facilmente reproduzível dentro dos seus produtos, como um novo recurso, sem o lançamento de novos grandes apps. Hoje, o Telegram lançou um serviço para agendar chamadas de voz. Como essas empresas já possuem uma grande base de usuários, a vida do app hoje restrito ao iOS pode não ser tão fácil como quando ele surgiu para iPhones.

Para Evetts, o Clubhouse se prepara para oferecer o app de Android em maio. Ou seja, um atraso de pouco mais de cinco meses depois da explosão do serviço, que inclusive adotou sistema de convites, inicialmente. Mais recentemente a plataforma lançou um programa de monetização para criadores de conteúdo, como forma de reter talentos no serviço. Além disso, o levantamento de fundos que pode alcançar US$ 4 bi poderá dar fôlego para o app se divulgar em pé de igualdade aos seus rivais. O momento se aproxima, e só o tempo dirá se o serviço demorou em excesso ou não para chegar à Play Store.

Via Phandroid

Imagem: William Krause/Unsplash/CC