Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Na semana passada, a Apple anunciou que iria implementar uma nova tecnologia para vasculhar fotos no iCloud de iPhones, iPads e computadores Mac para detectar fotos de abuso infantil, numa clara política de prevenção. Porém, a funcionalidade gerou polêmica imediata e muitos usuários questionaram que tal sistema violaria quesitos de privacidade essenciais para quem possui um gadget da Apple – principalmente pelo fato de saber que suas fotos estão sendo “vigiadas”.

De acordo com a CNBC, site de negócios da NBC, uma carta assinada pela comunidade de criptografia foi enviada para a Apple, com a participação de quase 30 organizações e mais de 6.600 assinaturas. O texto afirma que, apesar do sistema ser usado para combater o abuso infantil, ele pode abrir precedentes para outros tipos de vigilância, o que comprometeria a privacidade dos usuários. Por fim, a carta ainda pede que a implantação da ferramenta de monitoramento seja interrompida imediatamente e que a Maçã reafirme seu compromisso com a segurança dos dados dos usuários.

publicidade

Diante disso, a Apple decidiu se pronunciar, destacando que a nova tecnologia (que poderá ser baixada no iPhone do usuário por meio de uma atualização do iOS) ganha no quesito privacidade em comparação com seus concorrentes, GoogleMicrosoft, que também eliminaram imagens ilegais de abuso infantil de seus servidores.  Segundo a Apple, o novo sistema fará a varredura apenas das fotos enviadas para o iCloud, e não das fotos armazenadas de forma privada em iPhones. Na ocasião, o vice-presidente de software da Apple, Sebastien Marineau-Mes, disse que a novidade faz parte de uma “missão importante” para manter as crianças seguras, sem deixar de lado os cuidados com os arquivos analisados. “O que anunciamos é o produto dessa colaboração necessária, que oferece ferramentas para proteger as crianças do abuso infantil, mas também mantém o profundo compromisso da Apple com a privacidade dos usuários”, escreveu Marineau-Mes.

O executivo comentou, ainda, que em breve a Maçã detalhará a ferramenta para que todos possam saber exatamente sobre seu funcionamento. Já sobre as preocupações sobre se esse novo sistema pode ou não ser implementado em mais países e usado por governos para escanear os iPhones das pessoas em busca de outras fotos, como, por exemplo, relacionadas a conteúdo político, a Apple  reforçou que não vai escanear fotos não sincronizadas com o iCloud, não abrindo espaço para esse tipo de preocupação.

Via: Phone Arena 

Imagem: Racool Studio/ Freepik 

publicidade