Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Alguns usuários do Facebook estão sendo alertados pela rede social sobre amigos ou conhecidos que podem estar tomando posições extremistas. A plataforma de Mark Zuckerberg é vista por muitas entidades como um dos principais ambientes online para propagação de discurso de ódio e extremismo, sendo criticada constantemente por não agir como deveria sobre essa situação, e pelo visto, está tentando ao menos amenizar o problema.

Os avisos, segundo o Facebook, fazem parte de um pequeno teste em sua plataforma principal nos Estados Unidos, sendo um piloto para uma abordagem global visando evitar a radicalização no site. Andy Stone, porta-voz da empresa, aponta que os avisos pertencem a uma avaliação sobre maneiras de “fornecer recursos e suporte para as pessoas no Facebook que podem ter se envolvido ou foram expostas a conteúdo extremista”, ou ainda, que “podem conhecer alguém que está em risco”. Ele também informou que o Facebook está fazendo parceria com ONGs e especialistas acadêmicos a respeito do tema.

publicidade
Alguém que você conhece está se tornando um extremista?

Capturas de imagens vistas no Twitter mostram dois tipos de alertas. Em um deles, está escrito “alguém que você conhece está se tornando um extremista? Nós nos preocupamos em prevenir o extremismo no Facebook. Outras pessoas na sua situação receberam apoio confidencial”. Outro alerta diz que o usuário pode ter sido exposto a conteúdos extremistas prejudiciais recentemente e que “grupos violentos tentam manipular sua raiva e decepção. Você pode agir agora para proteger a si mesmo e aos outros”.

publicidade

Ambos os avisos incluíam links para o suporte da rede social. No teste, estão sendo identificados tanto usuários que podem ter sido expostos a conteúdo extremista violador de regras, quanto usuários que haviam estado anteriormente sujeitos à aplicação do Facebook. O porta-voz afirma que essas solicitações de teste fazem parte de uma iniciativa em andamento no Facebook, que redireciona usuários que procuram conteúdo relacionado a ódio ou violência para recursos educacionais.

Avisos fazem parte de compromisso assumido pelo Facebook

De acordo com Andy Stone, os avisos são parte do compromisso da empresa com o Christchurch Call to Action, uma campanha envolvendo grandes plataformas de tecnologia para conter conteúdo extremista violento online. Esta campanha foi iniciada em 2019 pela primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, após um ataque violento ocorrido em uma mesquita no país. O massacre de 51 pessoas foi transmitido ao vivo pela rede social de Mark Zuckerberg.

Via Phonearena e Reuters

Imagem: Diego Thomazini/Shutterstock