Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Com forte influência política, grupos nacionalistas hindus vêm aumentando a agressividade das manifestações virtuais e físicas pelo país. De acordo com as políticas do Facebook, esses grupos, que marcam ataques pelas redes sociais, seriam considerados propagadores de ódio e banidos. Mas, temendo ataques violentos contra escritórios e até funcionários da empresa, o Facebook pode ter hesitado em banir grupos e discursos extremistas na Índia.

No início de 2020, o grupo Bajrang Dal estaria prestes a ser considerado pelo Facebook uma organização perigosa e seria banido. Mas a plataforma pode ter voltado atrás por medo de retaliação. Um relatório de segurança da empresa na Índia registrou ameaças dos extremistas direcionadas às perspectivas de negócio do Facebook no país, às suas instalações e aos seus funcionários.

publicidade

Há uma presença significativa de pessoas trabalhando para o Facebook na Índia. São cinco escritórios, incluindo em Nova Delhi e Mumbai. Outros grupos nacionalistas hindus, como o Sanatan Sanstha e Sri Ram Sena também são reconhecidamente extremistas e violentos. Em virtude dessas condições, o Facebook inseriu a Índia num grupo de países de máximo grau de risco de violência, ao lado de Mianmar, Paquistão e Sri Lanka.

Postagens Violentas

Os perfis e grupos desses extremistas no Facebook costumam publicar e compartilhar imagens de locais sendo depredados, pessoas sendo violentadas e, não raro, sendo assassinadas. São cenas de inúmeros atos extremamente agressivos contra quem eles consideram ter desrespeitado o hinduísmo ou a ideologia nacionalista desses grupos.

Os hindus representam mais de 75% da população da Índia. Muçulmanos são 14% e apenas 2% da população é formada por cristãos. Há registro de membros do Bajrang Dal cometendo atos de violência contra esses dois outros grupos religiosos e secularistas. Incluindo um missionário sendo queimado até a morte junto com seus dois filhos e mulheres e crianças muçulmanas sendo massacradas.

Dificuldades contra o discurso de ódio

Mesmo com o Facebook dizendo ter uma política que não permite a presença em sua plataforma de grupos que participam de atos de violência, justamente a grande influência política desses extremistas age contra o banimento dos grupos na plataforma. Só o Bajrang Dal possui mais de 2.000 escritórios em toda a Índia.

publicidade

Fatores como o grande poder de atuação da rede social no país também tornam complexas essas ações de combate à violência nas publicações e interações nas postagens. É da Índia um dos maiores volumes de acessos ao Facebook e ao Instagram no mundo. A presença de grupos extremistas como o Bajrang Dal reforça as dúvidas sobre o compromisso da plataforma em combater o discurso de ódio não só na Índia, como no restante do mundo.

Via The Wall Street Journal