NotíciasRelatório do Facebook mostrava avanço extremista meses antes do ataque ao capitólio

Ronnie Mancuzo4 semanas atrás7 min

O Facebook tinha conhecimento de que o extremismo estava se intensificando em sua plataforma bem antes do ataque ao capitólio. Há anos, executivos da rede social viam o rápido crescimento de grupos que comprometiam um ambiente saudável de interação. Agora, documentos revisados pelo The Wall Street Journal apontam que, meses antes dos ataques ao Capitólio, o Facebook foi alertado sobre promoção ainda mais acentuada de violência dos extremistas em sua rede.

De acordo com o relatório interno acessado pelo jornal, em agosto de 2020, cientistas (ou especialistas) em dados da empresa alertaram os executivos do Facebook sobre uma rotina de apelos à violência nos chamados grupos “cívicos”. Em geral, esses grupos são dedicados a assuntos relacionados à política e atingem centenas de milhões de usuários. Cerca de 70% dos grupos cívicos dos EUA mais ativos são considerados não recomendáveis, por conterem discursos de ódio, informações erradas, intimidação e assédio, segundo os dados.

Envolvimento de pessoas de fora dos EUA

Os pesquisadores alertaram também sobre o envolvimento de pessoas de fora do país, com interesses financeiros e que distribuíam diariamente notícias falsas e conteúdos provocativos. Um dos grupos mais expressivos nesse sentido era o “Trump Train 2020, Red Wave”, que administrado por pessoas com “possíveis laços” com a Macedônia. Esse grupo chegou a ter dois milhões de usuários, antes de ser retirado do ar pelo FB.

De acordo com os especialistas, era neste grupo onde havia o maior discurso de ódio retirado pelo Facebook, superando qualquer grupo dos EUA. O grupo cresceu para mais de um milhão de membros em dois meses de atividade, até ser retirado da rede em setembro.

A maioria desses grupos na plataforma se colocaram como privados, para que apenas os seus membros pudessem acessá-los. Alguns eram secretos, impedindo que pessoas de fora do Facebook soubessem de sua existência e do que havia em seu conteúdo extremista, inclusive às vésperas do ocorrido no Capitólio.

Resultado das eleições dos EUA gerou revolta dos extremistas

A plataforma chegou a banir alguns dos grupos problemáticos mais inflamados e a tomar outras medidas restritivas para alguns usuários antes das eleições dos EUA. Porém, também sob a ótica das invasões dos extremistas ao Capitólio, foram ações do Facebook sem muita eficiência. Nas semanas após as eleições que culminaram na vitória de Joe Biden, muitos dos principais grupos com essa linha de ação violenta passaram a questionar efusivamente os resultados da votação.

Os questionamentos feitos no Facebook pelos grupos extremistas foram acompanhados de organização de protestos e discursos mais acentuados, precedendo a invasão ao Capitólio dos EUA. Após o ato violento de 6 de janeiro, a plataforma baniu mais grupos e impôs novas regras, como parte do que chamou de resposta de emergência.

De acordo com os cientistas, uma das principais ferramentas que ajudam no crescimento de grupos extremistas no Facebook, e que indiretamente podem resultar em acontecimentos como o do Capitólio, são os sistemas de recomendação. Guy Rosen, vice-presidente de integridade do Facebook, declarou que a plataforma cancelou em definitivo os planos de retomar a recomendação de grupos cívicos ou de saúde.

Na semana passada, saíram as primeiras decisões do Comitê de Supervisão, espécie de “Suprema Corte do FB”, com alguns resultados questionáveis. Esse comitê pode inclusive reverter o banimento do perfil do ex-presidente Donald Trump.

Via The Wall Street Journal

Imagem: narvikk / iStock