Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

As criptomoedas estão ganhando força nas grandes companhias e a próxima empresa que pode estrear nesse mercado é a Apple. A gigante já possui sistemas de pagamentos, inclusive o Apple Card, mas todos usando dinheiro tradicional. Agora, a fabricante do iPhone abriu uma vaga de emprego para “pagamentos alternativos”, o que deu origem ao rumor da empresa estar interessada no mercado de blockchain.

Na descrição para interessados, o profissional desejado pela Apple precisa ter pelo menos cinco anos de experiência em soluções de pagamentos alternativas, carteiras digitais, serviços “compre agora, pague depois” e claro, criptomoedas.

publicidade
Apple e as criptomoedas

O texto ainda diz que o novo gerente vai ser responsável por fazer novos negócios com parceiros estratégicos de pagamento. Além disso, o profissional deve trabalhar na sede da empresa, em Cupertino, na Califórnia (EUA).

De acordo com o Financial Times, a Apple está e preparando para aceitar pagamentos em Bitcoins em seu aplicativo Wallet. No entanto, não existe um prazo definido para quando o suporte vai ser adicionado. Vale lembrar que a empresa já aceita pagamentos em bitcoins através do Apple Pay, então esse seria já um segundo passo da empresa na direção das criptomoedas.

Apple Wallet

Imagem: Divulgação Apple

As transações devem ser feitas pela Coinbase, que converte criptomoedas em moedas tradicionais e vice-versa, a empresa diz que “atualmente não é compatível com Apple Pay, mas esperamos trazer uma maneira mais rápida e segura de gastar criptomoeda para usuários iOS em breve”.

De qualquer forma, um anúncio da Apple sobre o tema tem o potencial para influenciar o mercado das criptomoedas. Vale lembrar que em fevereiro desse ano, o preço do bitcoin saltou 16% após a Tesla anunciar que aceitaria a moeda. No entanto, houve uma grande queda quando a empresa de Elon Musk declarou que retrocedeu na decisão.

publicidade

Via Business Insider