Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

O futuro dos aparelhos mobile deve seguir uma nova tendência: a de botões invisíveis. Depois de um informante vazar que a Oppo estaria trabalhando em um smartphone sem portas e sem botões físicos, agora uma patente da Apple mostrou que o caminho também deve ser trilhado pela empresa de Cupertino.

Registrada com o nome “Disappearing Button or Slider” no Escritório de Patentes e Marcas dos Estados Unidos (USPTO), a patente quer aprimorar o design e a tecnologia aplicadas ao Mac mini, dispositivo que tem uma luz praticamente imperceptível indicando que ele está ligado. “No mundo dos dispositivos de consumo, e particularmente dos eletrônicos de consumo, há uma demanda sempre presente por aparência aprimorada, funcionalidade aprimorada e estética aprimorada”, diz a Apple, em parte da patente registrada.

publicidade

Segundo a justificativa da Maçã para trabalhar nessa tecnologia, melhorar a aparência, a funcionalidade e a estética dos produtos impulsionou a indústria do design industrial. “Uma área que recebe atenção para melhorias, particularmente em eletrônicos de consumo, é a entrada do usuário e a interface”, pontuou.

Os desafios para tornar a patente real

Colocar no mercado um smartphone futurista e, ao mesmo tempo, minimalista, com botões invisíveis, não será tão fácil, mesmo para uma empresa com o know-how da Apple. A própria companhia admitiu, no texto da patente, ter um longo caminho pela frente.

“Um desafio com esses dispositivos de entrada conhecidos é que eles podem prejudicar a estética do dispositivo, interrompendo a continuidade da caixa do dispositivo. O iPhone tem uma tela plana sensível ao toque que apresenta um design impressionante e uniforme, enquanto o telefone móvel tradicional apresenta uma variedade desordenada de teclas e botões”, comparou.


publicidade
Imagem de patente Apple para dispositivos com botões invisíveis

A ilustração da patente mostra que há, no entanto, várias maneiras de driblar essa dificuldade e mostrar, de forma ordenada, quando um botão invisível for pressionado em um dispositivo da Apple. E outra vantagem é a durabilidade, já que um botão que não é físico certamente será mais difícil de quebrar. “Além das vantagens estéticas óbvias de ter um design perfeito, um design perfeito pode ter funcionalidade e / ou durabilidade aprimoradas. Por exemplo, um teclado mecânico tradicional pode se desgastar com o tempo e / ou ser arruinado pela entrada de sujeira ou umidade nas aberturas da caixa do dispositivo. Essas aberturas são necessárias para acomodar as teclas e botões tradicionais”, comparou.

E como funcionariam os dispositivos da Apple com botões invisíveis. Essa parte também foi explicada detalhadamente na patente registrada. “Quando um objeto é colocado na moldura na área dos orifícios invisíveis e é aplicada pressão, a moldura se deforma. Essa deformação causa uma mudança na capacitância entre a referência capacitiva e a placa do capacitor. O sensor do capacitor detecta essa mudança e a converte em um sinal elétrico. Depois de criar um sinal elétrico, o hardware e o software do dispositivo podem usá-lo para realizar qualquer ação necessária”, explicou a Maçã.

A patente registrada pelos criadores Omar S. Leung e David T. Amm também deixou claro que, para se tornar real, os dispositivos da Apple com botões invisíveis poderiam ser aplicados a qualquer aparelho da marca, desde que sejam viáveis e “que fique claro para os usuários onde eles estão”. “É bom ter um controle invisível que não interrompa ou prejudique o que o dispositivo está fazendo, mas não é tão bom assim quando o volume está prejudicando seus ouvidos e você não consegue ver onde abaixar a música”, concluiu.

Via Apple Insider

Imagem: Shaun F./Pixabay/CC