Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

A Consultoria Digitimes Research divulgou, nesta terça-feira (02/03), as expectativas em torno do mercado de smartphones. Projetou que o segmento deve crescer consideravelmente nos primeiros três meses de 2021, ou seja, até o fim deste mês de março. Segundo a empresa, serão 340 milhões de unidades comercializadas no período, número que representa um aumento de aproximadamente 50% no comparativo com o mesmo triênio do ano passado.

As projeções para todo o ano de 2021 em relação ao mercado de smartphones também são otimistas na visão da Digitimes e apontam que o segmento vai crescer bastante. A consultoria prevê uma alta de 10 a 13% em vendas em relação a 2020, com o total chegando a 1,4 bilhão de celulares comercializados entre janeiro e dezembro. Os modelos prontos para a tecnologia 5G mereceram atenção especial no relatório, pois, de acordo com a Digitimes, responderão por 600 milhões de unidades vendidas, ante 280 milhões registradas em 2020.

publicidade
iPhone 12 puxa a fila

Demanda por linha iPhone 12 segue alta, mas deve começar a cair, segundo analista de mercado

Apesar de, recentemente, um outro especialista em mercado ter apontado que as vendas do iPhone 12 atingiram o ápice e não irão mais crescer, a Digitimes Research jogou justamente para os smartphones da Apple o principal motivo das projeções otimistas para 2021. De acordo com a empresa, serão 60 milhões de iPhones 12 vendidos até 31 de março, totalizando 150 milhões nos últimos 6 meses.

Na cola da Apple aparecem a Samsung, com um número entre 120 a 130 milhões de smartphones vendidos nos últimos seis meses, e a Xiaomi, com 90 milhões no período, número que dá à empresa chinesa um salto de 80% em relação aos seis meses anteriores. O destaque negativo, como já era esperado, ficou para a Huawei, que sofreu com as sanções dos Estados Unidos, anunciou cortes na produção, vendeu 20 milhões a menos de smartphones e caiu para o sexto lugar no ranking.

Via Digitimes
Imagem: F. Muhammad/Pixabay/CC

publicidade