Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Dois dias antes da posse de Joe Biden, o Telegram informa ter derrubado centenas de mensagens promovendo violência. A decisão é uma medida contra o clima de insurreição política atual no governo americano.

A resolução saiu no canal de um dos fundadores da plataforma, Pavel Durov. Em nota pública, ele justifica a ação lembrando que os termos de serviço do Telegram não comportam mensagens de violência.

publicidade

Não é a primeira vez que o Telegram age dessa forma. Nesse sentido, a nota alega que a plataforma aplica esta política há sete anos. Durov diz que intervenções similares aconteceram na Bielorússia, Irã, Hong Kong e Tailândia. A situação atual da política americana colocou maior pressão nas plataformas de mensagens – especialmente depois do ataque ao capitólio.

No entanto, a filtragem corresponde apenas à canais públicos da plataforma. Isso não significa que mensagens de violência no Telegram não sejam enviadas em escala privada.

Em conclusão, o fundador esclarece que o debate político é bem-vindo na plataforma por todos os lados do espectro político, “mas agirão rapidamente para coibir aqueles que incitam pessoas a causar mal aos outros.”

Agindo abertamente

De acordo com o item 5.2 dos Termos de Privacidade, o Telegram possui pelo menos 500 milhões de usuários. Embora o público americano ocupe apenas uma fração disso (menos de 2%, segundo Durov), a plataforma ainda é um prato cheio para virais e fake news.

publicidade

Após janeiro, a moderação do Telegram recebeu uma grande quantidade de denúncias de mensagens incitadoras. Desde o impedimento da posse de Biden, as redes sociais tem recebido maiores cobranças para coibir este cenário violento. E agora que a plataforma russa está conquistando ex-usuários do WhatsApp, a política se torna ainda mais importante.

Outras plataformas, além do Telegram, também tomaram medidas drásticas contra mensagens de violência, verbal ou combinada. Antes da eleição nos Estados Unidos, o Facebook se viu obrigado a derrubar contas com conteúdo falso e, com a posse do democrata chegando, também registrou aumento na retórica violenta. O YouTube baniu a conta de Donald Trump até a posse de Biden – e o Twitter, para sempre.

Via Engadget e The Verge

Imagem: Christian Wiediger/Unsplash/CC