Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

A Realme oficializou hoje (03/08) a tecnologia MagDart, uma espécie de clone do MagSafe da Apple, mas para Android. Com ela, os celulares da companhia poderão utilizar acessórios magnéticos como carteiras, carregadores, e mesmo power banks sem fios e com ímãs. O celular que “veste” este conceito em um primeiro momento é o Realme Flash.

Ele é o primeiro a embutir a tecnologia, por mais que a família Realme GT também esteja recebendo uma capinha que adiciona a compatibilidade MagDart de acessórios. Curiosamente a chinesa não abriu totalmente o jogo sobre o Realme Flash. Mas suas primeiras especificações confirmadas são promissoras.

publicidade
Top de linha

Ele seria lançado como um verdadeiro flagship, já que o smartphone conta com o processador Snapdragon 888. Além disso, possui bateria de 4500 mAh. Aliás, os números divulgados para os dois carregadores magnéticos MagDart são baseados na experiência com este celular-conceito. Com o acessório de 50W, a bateria enche em 54 minutos. Com o acessório mais portátil, de 15W, o tanque é preenchido em 2h.

Realme Flash, smartphone com carregamento magnético MagDart

Infelizmente a Realme também não confirmou os detalhes de câmera do modelo. Sabemos que ele oferece um sensor grande-angular bem destacado, e dois secundários. Estes podem ser lentes para macro, ultra-wide, telefoto, ou profundidade. Uma imagem promocional da frontal revela que sua câmera, por furo, será alinhada à direita. A publicidade também sugere que seu display poderá vir levemente curvado.

O Realme Flash também não ganhou data de lançamento ou preço, e é possível que a empresa tenha apresentado um produto que ainda não está finalizado. Fato é que, com modificações de hardware e design ou não, em algum momento o veremos nas prateleiras — com este ou outro nome. Afinal, os periféricos anunciados hoje precisam de um smartphone compatível para funcionarem.

publicidade

Via Playful Droid