Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

O Google anunciou nesta quinta-feira (21/07) que mudou as regras de exibição de produtos na pesquisa de compras. De acordo com a empresa, o seu algoritmo passará a priorizar produtos em ofertas para serem exibidos primeiro.

Por meio de um levantamento, o Google identificou que os usuários costumam priorizar produtos que estão em ofertas, principalmente os que recebem mais de 50% de descontos para vendas online. Assim, a plataforma decidiu otimizar a experiência dos usuários elencando estes itens em primeiro lugar.

publicidade

Ainda de acordo com o Google, a mudança também afeta aos lojistas. Seguindo as mudanças propostas pela empresa, em 2020, que passou a permitir que as empresas acrescentassem produtos gratuitamente no Google Shopping, o novo recurso vai identificar e listar automaticamente as ofertas das lojas online.

Segundo o Google, a mudança significa que as pessoas terão uma oportunidade maior de movimentar estoques, impulsionar vendas, atrair novos clientes e construir fidelidade às marcas.

O novo mecanismo de indicação de produtos também vale para pesquisas genéricas, em que o comprador não procura um produto específico, mas quer aproveitar datas como a Black Friday e os saldões de fim de ano, por exemplo. Assim, ao pesquisar: Black Friday em seu aplicativo a a aba do Google Shopping já vai te indicar as principais ofertas do período.

Compras em tempo real no YouTube

O Google também anunciou que pretende expandir as experiências de compras em tempo real no YouTube para outros criadores. Por enquanto, o serviço só está disponível para alguns vídeos sob demanda, mas devem chegar para toda a comunidade em breve.

publicidade

O novo recurso permite que usuários comprem os produtos veiculados nos vídeos que estão assistindo sem precisar mudar de tela. A iniciativa é parecida com as novas estratégias de market place adotadas pelo concorrente Instagram.

De acordo com o Google, as novas regras da aba Shopping que priorizam ofertas estão inicialmente disponíveis nos Estados Unidos, mas devem expandir para outros países a partir de outubro de 2021.

Imagem: Daniel Romero/Unsplash