Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Pouco após a homologação, ocorre o lançamento do Xiaomi Redmi Note 10 5G no Brasil. É o quarto celular da família a desembarcar por aqui — mas o primeiro com quinta geração de redes móveis. A maioria das operadoras já trabalha com 5G DSS, e com este anúncio, chega uma nova opção de intermediário com possibilidade de ingressar neste segmento.

Oficializado pela Xiaomi da China no mês passado, o lançamento Redmi Note 10 5G abre mão de alguns recursos para manter seu preço baixo — ao menos lá fora. Por exemplo, o carregamento rápido aqui é de 22,5W, não 33W. O display não é um AMOLED, mas sim um mais básico LCD — com taxa de atualização adaptativa de 90Hz. O modelo que chega ao Brasil traz 4 GB de memória RAM com 128 GB de armazenamento interno (expansível via microSD). O conjunto de câmeras inclui sensor principal de 49 MP, além de sensor ultra-wide e macro. Selfies são fornecidas pela lente de 8 megapixels.

publicidade
5G a menos de R$ 3 mil

A ser comercializado nas cores cinza, azul, e preto, o lançamento Redmi Note 10 5G é precificado em R$ 2,7 mil. Sendo assim, se posiciona como o segundo mais “acessível” da família por aqui: o Redmi Note 10S sai a R$ 3 mil, e o Redmi Note 10 Pro a R$ 3,4 mil. O Redmi Note 10 “simples” sai a R$ 2,1 mil na sua versão de 4 GB com 64 GB de armazenamento interno. À vista, o novo modelo pode ser obtido por R$ 2.483 na loja virtual da fabricante.

O Redmi Note 10 5G foi lançado, na China, ao lado de uma variante Pro, pela Xiaomi. Esta ainda não deu sinais de que chegará ao Brasil. Vale lembrar, a Xiaomi mudou suas políticas para o país, e tem arriscado trazer aparelhos de alto desempenho. É o caso do Poco F3, e também do Mi 11 — oficializado como o smartphone mais caro dela no país, até agora.