Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Analistas indicam que a fusão com a Oppo, anunciada por Pete Lau (CEO e fundador da OnePlus) esta semana, poderá alavancar a presença offline da marca no mercado, em um movimento de expansão da OnePlus para produtos IoT. As empresas, que pertencem ao grupo BBK Electronics, já se encontravam em sintonia há algum tempo e, como deixa claro o anúncio do presidente da OnePlus, a integração toma ares ainda mais profundos.

É onde as impressões de mercado estão sendo colocadas sobre um fortalecimento da OnePlus não só para o universo dos dispositivos móveis, como também para o campo da Internet das Coisas (IoT – Internet of Things). Lau disse que a fusão com a Oppo trará à OnePlus mais recursos, gerando possibilidades de melhoria na eficiência e na criação de produtos.

publicidade

Além disso, Pete Lau também afirma que a OnePlus continuará a operar de forma independente. Nessa mesma linha, um porta-voz da empresa disse que, nos mercados onde ambas as empresas operam, a OnePlus continuará competindo da mesma forma que antes.

OnePlus com acesso aos recursos P&D da Oppo

Analistas da indústria e de inteligência de mercado enxergam que a fusão permitirá à marca OnePlus alimentar sua próxima onda de crescimento, tendo em vista que a empresa poderá ter acesso aos recursos P&D (pesquisa e desenvolvimento) da Oppo. A possibilidade das duas empresas juntarem esforços no lado do software e dos serviços, inclusive da IoT, é outro plus gerado pela integração. Uma sintonia entre hardware e software das empresas pode ser vista na série OnePlus 9 na China (do celular bonitão que ilustra nossa imagem de destaque), que usa o Color OS da Oppo. Entretanto, convém lembrar que, segundo o próprio Pete Lau, a OnePlus seguirá trabalhando com o OxygenOS, baseado em Android, mesmo após a fusão com a Oppo.

Justamente do lado de sistema operacional, as impressões são de que a OnePlus também poderá ser ajudada ao alavancar o P&D da Oppo, o que permitirá atualizações mais rápidas. Os analistas também citam que as empresas poderão mesclar a atuação no segmento médio/premium, em séries como a Nord (OnePlus) e a Reno (Oppo), por exemplo.

Via Gadgets Now e Gizbot

publicidade