Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

A Taiwan Semiconductor Manufacturing Company (TSMC), principal produtora de processadores para celular, tablets e eletrônicos do mundo, está com planos de montar sua primeira fábrica de chips no Japão. A ideia da empresa, sediada em Taiwan, é acelerar a produção dos recursos e, com isso, ajudar a reduzir a crise de abastecimento que está tomando conta do setor.

O site local Nikkei Asia conversou com quatro fontes próximas à alta cúpula da TSMC, que confirmaram negociações para que a nova instalação seja construída na província de Kumamoto, oeste do Japão. A escolha pelo local seria por conta da proximidade com uma fábrica da Sony, uma das principais clientes.

publicidade

“A TSMC está considerando uma proposta do governo japonês para construir uma fábrica de chips avançados no Japão, embora ainda não tenha se comprometido e finalizado totalmente o assunto”, resumiu uma das fontes, sem se identificar. A mesma fonte revelou que, atualmente, a TSMC tem cerca de 4,7% de suas receitas provenientes de pedidos de empresas japonesas, tanto do setor de celulares e eletrônicos quanto de veículos.

Altos investimentos

A montagem da primeira fábrica de chips no Japão faz parte do planejamento da TSMC de ampliar os negócios da empresa fora do próprio país. Segundo os executivos da marca, serão gastos 18,6 bilhões de ienes (R$ 859 milhões, na conversão) em pesquisa e desenvolvimento no Japão para alavancar a produção de chips no país.

Além disso, a TSMC anunciou, ainda em abril, que investiria algo em torno de US$ 25 bilhões (R$ 126 bilhões) nos Estados Unidos para instalar uma fábrica de chips no Texas, assim como fará no Japão. A ideia é atender à grande demanda de empresas como Qualcomm e Apple, que dependem de seus produtos.

Via Gizmo China

publicidade