Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

A fundação de defesa do consumidor Procon-SP notificou o Uber Eats na última segunda-feira (31/05) por cobrança indevida. Esta não foi a primeira vez que a empresa por trás do app de motoristas por demanda Uber é notificada, anteriormente o mesmo órgão advertiu a firma por não cumprir as medidas de segurança para a pandemia, conforme anunciado pela OMS.

Na nova notificação do Procon-SP, constam queixas de usuários que precisaram pagar uma taxa adicional após a entrega do produto cobrada por alguns entregadores. Depois disso, mesmo sem autorização ou reconhecimento da taxa, um valor superior ao contratado inicialmente no aplicativo era cobrado dos usuários, que passaram a reclamar no app e na fundação.

publicidade
Procon-SP dá prazo de 72 horas para esclarecimentos do Uber Eats

A notificação estabelece um prazo de até 72 horas após sua publicação para que a Uber preste contas do ocorrido. A empresa deverá apresentar ao Procon SP quantos desses casos foram registrados no seu aplicativo e quais medidas foram tomadas para tentar resolver a situação dos clientes cobrados indevidamente. Além disso, a Uber também terá que explicar quais os critérios que utiliza para aprovar seus entregadores ou motoristas.

Até o momento, a Uber ainda não se manifestou publicamente sobre o ocorrido. Em seu blog oficial, não consta nenhuma publicação que explique o fato ou dialogue com os consumidores. Porém, a notificação foi emitida ontem, então é provável que a assessoria de imprensa do Uber Eats possa se manifestar trazendo explicações ao público ainda no prazo estipulado pelo Procon SP.

Outra empresa que andou tendo problemas com o órgão de defesa do consumidor foi o Facebook. As recentes mudanças nas políticas de privacidade do app permitem que dados dos usuários sejam compartilhados com outras empresas de Zuckerberg, bem como suas parceiras. Neste caso, o Procon está em conversa com a empresa para saber o que acontecerá com usuários que se negarem a compartilhar seus dados entre outros assuntos.

Via Procon

publicidade

Imagem: Vladispas/iStock