Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

A LG anunciou o fim das suas operações de telefonia móvel no mês passado, mas só agora suas fábricas pararam a fabricação de smartphones. A empresa precisou de tempo adicional para honrar contratos já firmados, e finalmente desligou a cadeia de produção dos seus celulares Android.

O foco do negócio agora é Smart TVs, telas, e até câmeras. As plantas fabris serão adaptadas para isso. A empresa é grande fornecedora de insumos ao mercado de smartphones, por mais que tenha optado por não disputá-lo mais, diretamente. No Brasil, a fabricante era representada pela popular linha K, os flagships da série G, e mais recentemente pelo intermediário LG Velvet.

publicidade

Apesar de parar suas fábricas de celular, a LG reservou um último evento para os seus funcionários: era previsto para hoje (31/05) o início das vendas limitadas do LG Velvet 2 Pro, antes chamado de Rainbow. Se trata do dobrável da companhia que vinha sendo cogitado há alguns meses, mas que pelo encerramento das atividades, não receberá viabilidade comercial.

Último celular apenas para funcionários

Apenas funcionários poderão comprá-lo, e apenas três mil serão disponibilizados. Cada pessoa pode comprar apenas um. A limitação possivelmente se dá para evitar a revenda. Até o momento, porém, a LG não abriu seus sistemas, alegando que o mesmo está congestionado para lidar com um evento de vendas.

Agora com fábricas de celular paradas, a LG ainda dará suporte de atualizações até o Android 13 para seus produtos mais avançados. Legislações locais, pelo mundo, a obrigarão a manter garantia e pós-venda por mais alguns anos. No Brasil, o Procon já questionou a empresa sobre isso. Com market share aproximado de 6% no país, a participação da empresa deverá ser absorvida por marcas que também apostam em aparelhos de entrada e intermediários.

Via GSM Arena

publicidade