Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

O Google poderá ter que desembolsar 100 milhões de euros (R$ 639,9 milhões) por conta de uma multa aplicada por um órgão regulatório da Itália, como pena a uma suposta infração do Android Auto, versão para carros do sistema operacional da empresa. Segundo a AGCM (Italian Competition Authority), o Google violou as leis do país ao bloquear o acesso do aplicativo JuicePass, desenvolvido pela companhia de energia Enel X Itália, aos serviços do Android Auto.

O JuicePass é concorrente do Google Maps, sistema de navegação nativo do Android Auto. Por bloquear o funcionamento do aplicativo rival na plataforma, o órgão italiano alegou que o Google estaria violando o Artigo 102 do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, e ordenou que disponibilizasse o acesso ao JuicePass para o Google Auto, além do pagamento da já citada multa.

publicidade

“O JuicePass possibilita uma ampla gama de serviços para recarga de veículos elétricos, desde encontrar uma estação de recarga até gerenciar a sessão de recarga e reservar um lugar na estação. Ao recusar a interoperabilidade do Enel X Italia com o Android Auto, o Google limitou injustamente as possibilidades de os usuários finais aproveitarem o aplicativo Enel X Itália ao dirigir e recarregar um veículo elétrico. Consequentemente, o Google favoreceu seu próprio aplicativo, o Android Auto”, diz parte da decisão judicial que estabeleceu a pesada multa.

O órgão italiano alegou ainda que a exclusão de aplicativos de terceiros da plataforma Android Auto é passível de multa por ameaçar o aumento da demanda por carros elétricos no país. Essa tecnologia é considerada fundamental para cumprir um dos principais pontos do Acordo de Paris, que prevê a diminuição da emissão de gases poluentes no meio-ambiente.

“A exclusão do aplicativo Enel X Italia do Android Auto já dura mais de dois anos e, se continuar, pode prejudicar permanentemente as chances da Enel X Italia de construir uma base de usuários sólida em um momento de crescimento significativo nas vendas de veículos elétricos. Além disso, o aplicativo JuicePass não pôde ser incluído na lista de aplicativos usados pelos usuários, levando a um empobrecimento da escolha do consumidor e um obstáculo ao progresso tecnológico”.

A resposta do Google

O Google se posicionou contrário à multa recebida em comunicado enviado ao site Tech Crunch, mas sem esclarecer o porquê de o JuicePass estar bloqueado pelo Android Auto há aproximadamente dois anos. Uma das alegações da empresa foi a de que “milhares de aplicativos” já são compatíveis com o Android Auto.

publicidade

“A prioridade número um do Android Auto é garantir que os apps possam ser usados com segurança enquanto você dirige. É por isso que temos diretrizes rígidas sobre os tipos de aplicativos que são suportados atualmente e são baseadas em testes de distração do motorista e padrões regulatórios e do setor. Milhares de aplicativos já são compatíveis com o Android Auto, e nosso objetivo é permitir que ainda mais desenvolvedores disponibilizem seus aplicativos ao longo do tempo”, prometeu.

O Google já se envolveu em outras polêmicas sobre ter quebrado as leis antitruste antes desta envolvendo o Android Auto, e chegou a ser condenado a pagar uma multa de 4,3 bilhões de euros (R$ 27,4 bilhões) em julho de 2018 pela União Europeia, por “abusar do domínio de seu sistema operacional móvel Android”.

Via Tech Crunch

Imagem: Cottonbro/Pexels/CC