Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

O mercado de celulares pode estar prestes a ver um novo recorde ser estabelecido pela Apple em 2021. De acordo com Dan Ives, analista da consultoria Wedbush, a Maçã pode vender entre 240 e 250 milhões de iPhones até dezembro, superando – e muito – a marca estabelecida em 2015, quando comercializou 231 milhões de unidades do flagship.

“Embora a Street esteja prevendo cerca de 220 milhões de unidades do iPhone para esse ano fiscal, acreditamos que, com base nesta trajetória atual, a empresa de Cupertino ainda tenha potencial para vender mais de 240 milhões de unidades, chegando a 250 milhões, número que superaria o recorde anterior”, comentou, ao site MacRumors.

publicidade

De acordo com o especialista, há 350 milhões de usuários de iPhone espalhados pelo planeta à espera de uma boa oportunidade de atualizar seus aparelhos, e é a grande maioria dessa parcela de clientes que contribuirá para a Apple superar o recorde estabelecido há seis anos no mercado de celulares. “Isso pode se traduzir em um super ciclo sem precedentes para a marca”, apostou Dan Ives.

Linha mais popular

Se as previsões do analista da Wedbush se concretizarem, os flagships da linha iPhone 12 se tornarão os mais populares da Apple desde os modelos iPhone 6 e iPhone 6 Plus. Ambos revolucionaram o mercado ao serem lançados, em setembro de 2014, muito por conta de suas telas significativamente maiores do que às encontradas nos principais rivais da Maçã.

Um outro ponto que pode estar pesando favoravelmente às vendas de celulares da Apple para bater o recorde em 2021 é o valor de revenda do iPhone 12. Segundo um comparativo recente da SellCell, o modelo da Maçã é um dos que sofrem menor desvalorização após a compra. Enquanto o iPhone 12 perde, em média, 33,7% do valor, um rival como o Samsung Galaxy S21, por exemplo, cai 57,1% após ser tirado da caixa.

As projeções, no entanto, vão contra o que previu Samik Chatterjee, analista de mercado do banco JP Morgan. Em nota divulgada aos investidores há mais ou menos um mês, o especialista reconheceu que a demanda pelo flagship da Apple continua forte, mas “começou a cair”, e fechará 2021 abaixo da projeção inicial. E aí: quem fechará 2021 com a previsão certa? Quem apostou que a Apple baterá recorde em venda de celulares ou quem colocou as fichas na queda do iPhone 12 a partir do segundo semestre?

publicidade

Via Mac Rumors