Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

A CEO do YouTube, Susan Wojcicki admitiu em uma live nesta quinta-feira (4/3) que a plataforma pode liberar o canal do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump na plataforma em breve. A medida, no entanto, depende de que as ameaças de violência e a postura do ex-presidente em incentivar ataques à democracia acabe.

O canal de Trump foi banido da plataforma de vídeos do Google em janeiro deste ano, após o ex-presidente e empresário emitir uma série e declarações apoiando os ataques de extremistas de direita ao Capitólio americano. Na época, os manifestantes queriam impedir a homologação da vitória o atual presidente Joe Biden no Congresso.

publicidade

Ainda de cordo com Susan, a decisão tomada pelo YouTube nunca foi permanente. Durante a transmissão, ela disse que o canal continuará suspenso enquanto houver chances de que ele seja usado como uma ferramenta para o incitamento da violência, mas que esta suspensão é parecida com a de quem toma sofre strikes da plataforma.

Os strikes são alertas enviados pelo YouTube para criadores de conteúdo que desrespeitam suas normas de uso. Geralmente, ao tomar o terceiro alerta, o canal é banido definitivamente da plataforma. Confira o bate-papo completo abaixo. Ele está em inglês.

 Trump também pode voltar para o Facebook

Além do YouTube, Trump foi permanentemente suspenso do Twitter e do Facebook. No entanto, é possível que ele também retorne ao Facebook no futuro – uma vez que o Conselho de Supervisão do Facebook semi-independente está revisando a sua proibição.

publicidade

Enquanto isso, o FBI investiga as movimentações de grupo de extrema-direita Qanon que tem espalhado fake news sobre uma possível revolução e o retorno de Trump à Casa Branca ainda neste mês.

Via The Verge

Foto: Gage Skidmore;WikiCommons