Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

O Snapchat se juntou ao Twitter e ao Facebook e baniu a conta de Donald Trump após apoiadores do (ainda) presidente dos Estados Unidos invadirem o Capitólio e causado um tumulto com uma morte na tarde da última quarta-feira (6). As redes sociais foram a principal ferramenta do mandatário para incitar seus seguidores nas manifestações, que tiveram um fim trágico, pelo menos uma pessoa morreu durante os protestos.

Em junho do ano passado, o aplicativo já tinha parado de mostrar a conta do presidente na sessão de descoberta. Agora, Trump foi banido da Snapchat. “Podemos confirmar que hoje cedo bloqueamos a conta do presidente Trump na plataforma”, disse um porta-voz do aplicativo ao site TNW.

publicidade
Banimento do Twitter

A primeira rede social a banir o presidente foi o Twitter. A plataforma notificou três tuítes como ofensivos durante a invasão de manifestantes neofascistas ao Congresso. Trump ficará suspenso do Twitter por, no mínimo, 12 horas.

O aviso do twitter diz: “Como resultado do evento violento e sem precedentes em Washington, exigimos a remoção de três tuítes de @realDonaldTrump que foram publicados hoje em razão de repetidas e graves violações de nossa política de integridade cívica.”

Ainda segundo o Twitter, a conta de Trump permanecerá bloqueada – por pelo menos 12 horas – até que as publicações sejam excluídas. A empresa também declarou que futuras violações podem “resultar na suspensão permanente da conta @realDonaldTrump”. A ação nas contas de Trump foi seguida pelo Facebook e Snapchat.

Ações do Facebook

Algumas horas após remover de sua plataforma e do Instagram um vídeo de Trump dirigido aos apoiadores, além de sua postagem subsequente sobre suposta fraude no resultado da eleição presidencial, o Facebook denunciou a ação e anunciou novas atualizações em sua política de moderação de conteúdo.

publicidade

O posicionamento foi feito em publicação da companhia denominada “Nossa resposta à violência em Washington”. A carta foi assinada por Guy Rosen, vice-presidente de integridade do Facebook e Monika Bickert, vice-presidente de Gestão de Política Global.

Até o momento, Snapchat, Facebook e Twitter foram as plataformas que anunciaram bloqueios, pelo menos parciais, as contas de Trump. A certificação da vitória de Joe Biden nas eleições americanas foi concluída durante a madrugada, após os manifestantes serem tirados do Capitólio.

Via TNW