Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

O Youtube acaba de estender a suspensão da conta de Donald Trump por, pelo menos, mais sete dias. O bloqueio aconteceu no dia 12 de janeiro, sob o pretexto de incitação à violência. Com a finalidade de evitar outras agitações políticas, a restrição ao canal oficial permanece mesmo depois da posse do presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden.

A decisão da empresa do Google em suspender a conta oficial de Trump veio após um pronunciamento pouco tempo depois do ataque ao capitólio. Num vídeo, ele diz que os manifestantes eram “muito especiais”. Além disso, o mesmo vídeo circulava no Facebook, e foi removido por incitação à violência.

publicidade

De uma forma ou de outra, não é exclusividade do Youtube a suspensão da conta de Trump. Outras redes sociais já haviam tomado decisões similares. O Twitter, por exemplo, baniu a conta e todos os tweets do ex-presidente – fator que derrubou as fake news sobre eleições em 73% na plataforma. Facebook e Snapchat tomaram decisões similares.

Ao que parece, não é apenas o Youtube que se preocupa com o uso da plataforma para acirrar insurreição política. O Telegram também tomou decisão similar ao excluir centenas de mensagens em canais públicos que incitavam o ódio na véspera da posse do novo presidente.

Suspensa, não derrubada

Apesar da suspensão do Youtube à conta de Trump, os usuários da plataforma ainda podem assistir os vídeos disponíveis anteriormente. Entretanto, a caixa de comentários está fechada por tempo indeterminado.

Anteriormente, Donald Trump tentou burlar as restrições ao tentar tuitar diretamente das contas oficiais do presidente dos Estados Unidos e da equipe Trump.

publicidade

Via Engadget e CNBC