Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

É possível que na hora de comprar um smartphone, um monitor ou ainda uma smart TV, você tenha esbarrado nos termos LED, OLED e AMOLED. Os termos, normalmente acompanhando outros atributos das telas (tamanho, definição e por aí vai) falam diretamente da emissão de luz, da duração e da qualidade de imagem.

Separamos um pequeno guia para você entender a diferença entre os três tipos de tela, e o que cada um coloca em jogo no mercado:

publicidade
O que é LED

LED é a sigla para Light-Emitting Diode, ou diodo de emissão de luz. Nos termos mais simples, é um semicondutor que emite luz quando uma corrente elétrica passa por ele. Essa luz se forma quando os elétrons reagem com os materiais do semicondutor. Devido à solidez do material, a iluminação em LED também é conhecida como solid state lighting, ou iluminação em estado sólido.

Dentro dos semicondutores existe um pequeno espaço onde ocorre a troca de corrente, emitindo os fótons. No caso dos celulares e outras telas, é comum que os LEDs estejam agrupados em micro células de três cores: vermelho, azul e verde, o padrão RGB. Conforme a necessidade da luz, a corrente ativa um ou mais condutores, ajustando a intensidade.

O LED passou a aparecer nas telas como retroiluminação de telas LCD, que por sua vez, emitiam luzes mais fortes, que consumiam mais energia e que cansavam mais os olhos. Suas principais vantagens para as telas estão na economia de energia, na sustentabilidade e na vida útil dos componentes.

O que é OLED

A evolução na história do LED se deu quando os fabricantes passaram a inserir uma série de camadas finas de material orgânico entre um condutor e outro. Essas camadas ajudam na preservação de corrente elétrica, tendo, como resultado, uma maior economia de energia. É graças a essas camadas orgânicas que surgiu o OLED, que significa Organic Light Emitting Diode, ou Diodo Orgânico de Emissão de Luz.

publicidade

As telas OLED são um salto em qualidade de imagem em comparação aos padrões anteriores. Isso porque a nova estrutura de iluminação é capaz de apagar completamente determinados pontos na tela. Isso amplia o contraste, cria tons de preto mais definidos e permite a redução de luz em determinados pixels, ativando o modo noturno. Em outras palavras: se no LED a cor preta aparece acinzentada, no OLED é preta mesmo.

Por fim, uma tela OLED não possui LCD por cima, sendo capaz de emitir luzes mais vibrantes e exibindo melhor padrões de imagem de alta definição, como o HDR. A falta da cobertura rígida também faz com que o OLED seja usada para desenvolver celulares dobráveis.

O que é AMOLED

AMOLED é a sigla de Active Matrix Organic Light Emitting Diodes (ou LEDs Orgânicos de Matriz Ativa). A evolução do OLED utiliza um Transistor de Película Fina (Thin Film Transistor, ou TFT) e capacitor para conectar todos os semicondutores. Isso permite que os capacitores nos pixels recém-usados mantenham a carga nos ciclos, permitindo um controle de imagem mais rápido e preciso, iluminando pixel por pixel.

O AMOLED cresce em comparação ao padrão anterior por usar apresentar qualidade ainda maior nas cores e nos padrões de contraste. Algumas empresas como a Samsung e a Vivo, por exemplo, utilizam o Super AMOLED, uma tela que integra os semicondutores de iluminação com a camada que detecta o toque.

No entanto, o padrão de semicondutores ainda é muito caro, o que aumenta o preço dos dispositivos que o utilizam. Seu ciclo de vida é menor do que o do OLED e, por usar precisamente ponto por ponto, o AMOLED pode queimar alguns pontos por repetição de imagem.

Via AndroidAuthority

Imagem: Josh Hild (Pexels)