Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Amar, sorrir, chorar, agradecer, não gostar… Essas e outras reações poderão ser incorporadas pelo usuário ao trocar emails pelo Outlook em pouco tempo. Isso se a Microsoft colocar em prática as atualizações que vêm sendo trabalhadas pela empresa para o software de gerenciamento de mensagens eletrônicas. A ideia foi revelada na própria página da empresa e consta como “em desenvolvimento”, com previsão de liberação para março de 2021.

“O Outlook na web está expandindo a capacidade existente de gostar de mensagens de email com um ícone de polegar para cima. Além de curtir, os usuários poderão adicionar sentimentos de amor, risos, comemoração, agradecimento ou mostrar tristeza”, pontuou a Microsoft, confiante no sucesso do projeto que levará as reações mais comuns das redes sociais aos emails visualizados no Outlook.

publicidade
Como vai funcionar?

De acordo com uma mensagem postada na página de suporte da Microsoft, ela deverá funcionar de maneira semelhante à já existente “thumbs up”, o famoso “dedão para cima”, que sinaliza que alguém curtiu seu email. Atualmente, se você recebe um email “curtido” por outras pessoas, basta passar o mouse por cima do símbolo do thumbs up para saber os nomes de quem gostou da mensagem.

A Microsoft não explicou, no entanto, se a ideia de introduzir reações aos emails não pode transformar o Outlook em um algo menos profissional, já que o aproximaria das redes sociais, hoje em dia centros de muitas polêmicas e discussões, principalmente em âmbito político. O email seria um dos últimos alicerces que sobrevivem mantendo sua característica corporativa – sendo, inclusive, motivo de alerta para os funcionários de muitas empresas não utilizarem a ferramenta com outro objetivo.

Via TechRadar

Imagem: Max Satanna/iStock

publicidade