Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Um recurso tem tudo pra deixar a sua vida um pouquinho mais próxima de um episódio de Black Mirror filme: o Spotify quer criar um dispositivo capaz de reconhecer o seu estado emocional. Está numa patente que foi aprovado e a ideia é (consta) sugerir músicas de acordo.

Solicitada em 2018 e aprovado este mês, o Spotify registrou um sistema, método e produto de computador para processamento de sons. Segundo o diagrama da publicação, funcionará assim: o dispositivo captará a voz do usuário, reconhecendo o assunto e as entonações da fala, para determinar o estado emocional do usuário. Sons ambientes também serão captados para a emissão de metadados, dizendo ao Spotify a possível localização e ambiência do momento para avaliar as sugestões.

publicidade
Um refinamento

É bom lembrar que, antes mesmo da patente, o Spotify já faz algo similar, chutando o seu estado emocional, mais ou menos, cruzando as músicas que você ouve com o horário. Até o momento, não há previsão de como será o dispositivo que recomendará aquela moda de viola para quando você estiver de coração partido.

No relatório da patente, o Spotify comenta que os conteúdos personalizados chegam ao usuário através de sugestões baseadas em dados oferecidos por eles mesmos, como idade ou preferências pessoais. No entanto, a inserção de informações usando este mesmo método pode ser lento, ineficiente ou impreciso demais.

Para solucionar isso, a patente propõe que o dispositivo de voz “experimente” os atributos do usuário, obtendo entonação, sotaque, ritmo e outras características sonoras. A captação, ao detectar ruídos como passos, vento, chuva ou motores, será avaliada também. As informações, quando cruzadas, poderiam ser hierarquizadas dentro de um grupo de emoções, como feliz, triste, irritado – ou até mesmo neutro.

Por fim, de acordo com a patente, o Spotify usará as reações do usuário para determinar se a música corresponde ao estado emocional, dependendo se as faixas sugeridas forem puladas ou não. Resta saber se as músicas dos dispositivos locais também entrarão nas sugestões.

publicidade

Via MusicBusinessWorldwide

Imagem: Deimagine/iStockPhoto