AplicativosNotíciasCuradoria de notícias do Facebook chega ao Reino Unido

Gabriel Daros1 mês atrás7 min

O Reino Unido acaba de receber o Facebook News, a aba de curadoria de notícias do Facebook, antes disponível apenas nos EUA. A aba exibirá para o usuário matérias atualizadas dentro de uma lista de veículos selecionados, e que são consideradas relevantes pela rede social.

É a primeira vez que o recurso entra em disponibilidade fora dos Estados Unidos – país no qual ele vem sendo testado desde outubro de 2019. O Facebook anunciou em agosto de 2020 os planos de levar a nova curadoria de notícias ao Brasil (e outros países) em até um ano, mas ainda não há data específica para o lançamento.

O Facebook confirmou exclusivamente ao TechCrunch que a nova rede social estaria trabalhando em conjunto com o Upday, da Samsung, para a seleção de notícias filtradas. A ênfase em um feed de notícias (literal, no caso) filtrado por editores vêm do reconhecimento do Facebook em perceber que o Machine Learning ainda é muito incipiente para dar conta do trabalho sozinho.

O recurso exibirá ao usuário uma página com matérias filtradas por relevância regional e temas de engajamento do usuário. Editorias personalizadas, como saúde e negócios, também estarão disponíveis, na aba “tópicos”, assim como outras notícias na aba “diversas”. Por fim, também será possível bloquear veículos que não forem de seu interesse, bem como aderir suas assinaturas para exibição de matérias de sites pagos.

Esforço conjunto

Para os veículos de notícias, isso talvez seja uma boa, já que o Facebook promete pagar aos portais de notícia pela reprodução na nova aba personalizada. No entanto, isso só acontecerá se as plataformas estiverem na lista de editoras e seguirem as diretrizes de publicação.

O Facebook identificará as plataformas com base na integridade dos veículos. Para tanto, utilizará três princípios. O primeiro, de que o conteúdo terá significado e informação. O segundo, de autenticidade e precisão, parece jogar especialmente contra os caça-cliques e fake news. Por fim, o de padrões de comportamento seguro e respeitável reforça as ideias da política de comunidade – o que inclui nudez e conteúdo potencialmente ofensivo, mas também incitação ao ódio.

O Google também chegou a um acordo similar na França, pagando por republicação de notícias de jornais e sites. Por outro lado, o gigante das buscas não está disposto a fazer o mesmo com a Austrália, ameaçando deixar o país.

Via MacRumors e Engadget

Imagem de destaque: Metamorworks / Shutterstock