Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Todo mundo que usa o WhatsApp acaba participando de um ou de vários grupos privados. Da família, do trabalho, da escola dos filhos, entre melhores amigos, não importa: a ideia é que esse espaço seja exclusivo. A ideia: o WhatsApp anunciou que precisou corrigir um bug que tornou os grupos privados públicos. Perfis de usuários se tornaram visíveis na pesquisa do Google.

O problema foi detectado no começo da semana pelo pesquisador de segurança cibernética Rajshekhar Rajaharia.

publicidade

Ele que notou que era possível encontrar links para entrar em grupos privados através do Google. E que, assim, pessoas aleatórias podiam ingressar em um grupo privado, ver quem são os participantes e seus números de telefone, além das atualizações e mídias compartilhadas. Mais de 1.700 links de convite de grupos privados do WhatsApp e mais de sete mil perfis podem ter se tornado visíveis na pesquisa do Google.

publicidade

Um porta-voz do WhatsApp informou que, desde março de 2020 a empresa inclui a tag noindex em todas as páginas de links diretos para que elas não consigam ser encontradas nas pesquisas do Google. O representante também afirmou que, quando alguém se junta a um grupo, todos recebem aviso e o administrador pode remover a pessoa ou até alterar a privacidade daquele grupo. No entanto, grupos cujos links forem divulgados em canais públicos da internet ficarão visíveis e disponíveis para a entrada de qualquer usuário do WhatsApp.

Em 2019, um problema similar foi detectado, expondo mais de 470 mil convites de grupos e, diante da identificação do bug, o mesmo foi corrigido.

Política de privacidade

A política de privacidade do WhatsApp foi atualizada na semana passada, junto dos termos e serviços, indicando que os dados pessoais dos usuários passaram a ser compartilhados com o Facebook, empresa que é sua proprietária desde 2014.

O WhatsApp informou publicamente que o teor de mensagens e ligações do aplicativo são criptografadas e, por isso, não são acessadas nem mesmo pela própria empresa, mas a notícia não foi bem recebida por muita gente, que optou por migrar para outros aplicativos de bate-papo, como o Telegram e o Signal.

Via 91 Mobiles e BBC

Imagem Alex Green/Pexels/CC