Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Como consequência da invasão do Capitólio ocorrida na última quarta-feira (6) em Washington (EUA), cerca de 70 mil contas de adeptos da teoria da conspiração QAnon foram banidas do Twitter. Em comunicado, a rede social anunciou que a medida visa impedir “tentativas de incitar a violência, organizar ataques e compartilhar informações deliberadamente enganosas sobre o resultado da eleição”.

A plataforma disse que começou uma grande busca para identificar usuários relacionados à teoria da conspiração. Em alguns casos, um mesmo usuário possuía várias contas compartilhando o mesmo tipo de conteúdo, todas foram suspensas.

publicidade

“Muitos dos indivíduos afetados por essa ação de fiscalização atualizada possuíam várias contas, aumentando o número total de contas afetadas. Desde sexta-feira, mais de 70.000 contas foram suspensas como resultado de nossos esforços, com muitos casos de um único indivíduo operando várias contas”, completa o texto.

Isso também pode ter resultado em uma redução no número de seguidores de alguns usuários do Twitter que não possuem relação com o QAnon, mas eram seguidos por contas ligadas ao grupo.

O Twitter acredita que grande parte das manifestações que ocorreram na capital dos EUA no dia da certificação da vitória de Joe Biden foram organizadas na plataforma por membros do QAnon. “Durante as últimas semanas, informações enganosas e falsas em torno da eleição presidencial de 2020 nos EUA foram a base para o incitamento à violência em todo o país”, diz mais um trecho do comunicado.

Ações e satanistas

Resumindo bem resumido, os adeptos da teoria acreditam que há uma vasta conspiração de uma elite global de magnatas, políticos e jornalistas no “estado profundo”, organizando pedofilia, sacrifícios infantis e adoração a Satã. Trump, e apenas Trump, estaria lutando para vencê-los, e todos seriam revelados presos no Day or Reckoning (“dia do acerto de contas”). As “informações” viriam do agente infiltrado de codinome QAnon. Entre os invasores do Capitólio, adeptos da QAnon eram proeminentes, inclusive Jake Angeli, o infame ator vestido com chapéu de búfalo.

publicidade

Desde o ataque, a rede social, como outras empresas do Vale do Silício, vem adotando uma postura rigorosa contra a extrema direita. O presidente dos EUA, Donald Trump, teve sua conta banida permanentemente. Antes disso, seus tweets já estavam sendo marcados como conteúdo reduzido. A decisão de banir do mandatário da plataforma teve efeito imediato nas ações da empresa na Bolsa de Valores. Segundo a Reuters, os papéis apresentaram uma queda de 7% desde então, muito por conta das reações adversas dos apoiadores republicanos de Trump.

O Twitter, aliás, parece ser mesmo o centro dos protestos dos apoiadores de Trump e do QAnon, com isso, os mais afetados pela queda das ações. Segundo a mídia local, a polícia de San Francisco está de prontidão para um possível protesto que estaria sendo organizado por manifestantes pró-Trump na porta da empresa. Eles estariam combinando carregar apitos, câmeras corporais para registrar eventuais violências policiais, máscaras, óculos escuros e chapéus, tudo para dificultar a identificação.

Além do Twitter, diversas outras redes sociais, como Facebook e Snapchat, baniram Trump de forma permanente ou provisória. Com isso, muitos usuários começaram a incentivar o uso do Parler, plataforma usada por grupos da extrema-direita que, no momento, está fora do ar.

Foto: Tomazl/iStock