Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

A Apple planeja produzir o iPhone no futuro com chips mais finos e, assim, ganhar espaço para acomodar baterias maiores, resolvendo seu histórico problema de alimentação. Segundo informações do Digitimes, a empresa quer aumentar a adoção dos IPDs (dispositivos passivos integrados, na sigla em inglês), semicondutores menores do que os atuais e com melhor desempenho. As parceiras TSMC (Taiwan Semiconductor Manufacturing Company) e Amkor forneceriam as peças e fariam parte do processo de transição, que também deve abranger outros produtos da Apple como o iPad e o MacBook.

Embora não se saiba quais produtos da Apple terão os novos chips, é provável que o futuro iPhone 13 já tenha essa composição, especialmente por causa da bateria. Informações de insiders indicam que o próximo smartphone da empresa terá uma capacidade bem superior à dos antecessores. A linha Pro Max, por exemplo, saltaria de 3687 mAh no iPhone 12 para 4352 mAh no 13, o que faria dele o smartphone da Apple com maior capacidade na história — atualmente, o posto é ocupado pelo iPhone 11 Pro Max, com uma célula de 3969 mAh.

publicidade

Especula-se ainda que o novo modelo do MacBook Pro e o tão iPad Mini 6 contem com essa maior capacidade. Vale observar que os rumores estão em estágio inicial e a Apple só deve se pronunciar oficialmente sobre essa nova forma de fabricação no mês que vem, quando o iPhone 13 chegar ao mercado.

Apple quer mudar sua imagem de baterias de menor capacidade

Os iPhones nunca se destacaram pela bateria de grande capacidade de bateria, apesar do fato da empresa criar o hardware e o software permite que eles sejam muito bem otimizados. De qualquer forma, em termos absolutos, ficam bem para trás em comparação a celulares Android topo de linha como o Samsung Galaxy S21, com capacidade de 4000 mAh, ou o OnePlus Nord 2, com 4500 mAh (e olha que nem falei de outros com bateria bem maior). O problema se estende aos smartwatches da empresa americana, como o Apple Watch 6.

Vale citar que, no lançamento do iOS 14.6, alguns usuários perceberam que a atualização estava drenando a bateria dos iPhones, causando problemas de lentidão e performance, mas isso foi resolvido em uma atualização. É bom ver que, além dos updates, a Apple está se preocupando em aumentar a capacidade e autonomia das baterias de seus futuros iPhones e outros dispositivos.

Via Phone Arena

publicidade

Imagem: SimonSkafar/iStock