Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

A Huawei foi freada por embargos dos EUA. Por um tempo, isso fez com que Apple recuperasse o segundo lugar no mercado global. Mas não durou: movida por vendas de celulares mais baratos, a Xiaomi acaba de ultrapassar a Apple no mercado de vendas globais de smartphones e se tornar a segunda, após a megacorp Samsung. E está bem orgulhosa disso.

Os dados foram divulgados pelo instituto de pesquisa em tecnologia Canalys, que revelou estatísticas referentes ao segundo trimestre do ano. A Xiaomi foi rápida em anunciar nas redes sociais.

publicidade

publicidade

O crescimento da Xiaomi no último ano foi de estrondosos 83%, e com isso ela alcançou 17% do market share global. Isso é 3 pontos percentuais a mais do que a Apple possui — e apenas 2 menos do que a Samsung, líder de mercado, detém. Enquanto no cenário internacional muitos países vão permitindo o retorno a alguma normalidade, o levantamento observou que a retomada econômica trouxe crescimento de 12% em vendas.

Chama a atenção o baixo avanço da Apple nos últimos 12 meses: apenas 1%. A Samsung subiu de forma mais consistente — com 15%. As chinesas avançam a passos largos: Oppo cresceu 28%, e a Vivo 27%. Elas já se posicionam, juntas, na quarta posição.

Crescimento na América Latina

Outro dado interessante envolvendo o levantamento coloca a Xiaomi, de novo, em evidência: o relatório destaca o crescimento da marca em 150% em territórios africanos, 50% na Europa Ocidental, e 300% na América Latina.

Não há dados filtrados sobre o mercado brasileiro  — para o qual a marca retornou em 2019, em parceria com a DL. A Apple não é tão potente por aqui, então é possível que a Xiaomi já a tivesse ultrapassado bem antes. Por dados não comparáveis da Stats Counter — pelas metodologias distintas utilizadas — projeta-se que a Xiaomi possa ter um market share de 10% nacionalmente — próxima dos 13,5% da Apple, mas bem longe dos 22% da Motorola, e dos 45% da Samsung.

Via Tech Crunch