Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Três grandes companhias do ramo da tecnologia, Ericsson, Qualcomm e Telia, se uniram para testar um mecanismo capaz de aprimorar a experiência de usuários e empresas com o 5G e o uso de bateria dos dispositivos. A proposta do projeto é reduzir a taxa de latência (isto é, o tempo que a ação do usuário leva para chegar ao servidor, na internet) dos aparelhos e o consumo de bateria enquanto estiverem conectados na rede de dados 5G.

A ideia é complexa, mas pode resumida de forma simples. Imagine que você está utilizando seu celular conectado à rede 5G para dar uma olhada nas suas redes sociais. Após ver as atualizações mais recentes, deixa o celular de lado para voltar ao trabalho. Nessa transição do modo ativo do celular para o modo de descanso, ele permanece conectado, mas exigindo uma taxa menor de sinal da operadora.

publicidade

Em termos precisos, as três companhias desenvolveram em conjunto um estado inativo para o protocolo de controle de recursos de rádio (RRC inactive na sigla em inglês). Esse protocolo é utilizado pelas operadoras na emissão do sinal de rádio da rede 5G. O estado inativo do protocolo foi desenvolvido para reduzir a quantidade de sinal captada por um aparelho durante a transição do modo ativo para o modo de descanso.

Para o desenvolvimento do mecanismo capaz de melhorar o desempenho e o consumo de bateria no uso do 5G, foi utilizado um software da Ericsson em conjunto com um dispositivo que carregava o Snapdragon X60 5G Modem-RF System, modem de 5nm da Qualcomm. Além disso, foram utilizadas antenas standalone para a conexão 5G.

O resultado desse projeto? Uma redução de até três vezes na taxa de latência na conexão e de 30% no consumo de bateria dos aparelhos. Isso representa um grande avanço, tanto para o usuário final que poderá ter uma melhor experiência de uso da nuvem ou de jogos, por exemplo, bem como para dispositivos IoT usados na indústria.

Via Mobile World Live

publicidade

Imagem: Marko Aliaksandr/Shutterstock