Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Vem chamando a atenção, nos últimos meses, o aumento de um novo golpe após furto ou roubo de celular — já que criminosos alegaram ser capazes de desbloquear qualquer modelo do iPhone e depois esvaziar contas bancárias em minutos, como mostra uma série de reportagens da Folha. O Procon já foi até os bancos procurar entender como isso é possível, já que da tela de bloqueio até uma transferência de saldo, há muitos mecanismos de segurança envolvidos.

Algo que começa a esclarecer este novo método no mercado é a prisão de um grupo voltado a esta prática. O Departamento Estadual de Investigações Criminais de São Paulo (DEIC) confirmou que criminosos conseguiam desbloquear até a linha iPhone 11 — porém eram descuidos do usuário que abriam caminho para o controle total dos seus dados.

publicidade
Engenharia social — e o chip

Conforme o delegado Fabiano Barbeiro — que conduziu a prisão do grupo — o golpe da conta bancária começava quando o chip era retirado do aparelho fruto de roubo e ia parar em outro celular, esse desbloqueado. Como muitas pessoas não utilizam a função de bloqueio do chip (que pede um código PIN a cada troca ou reinício de aparelho), a linha continuava funcional até a solicitação de bloqueio junto à operadora.

Com o número de telefone disponível, começava um verdadeiro trabalho de engenharia social — visando chegar aos perfis de redes sociais nas quais aquele número estava vinculado. Com isso, o caminho já estava aberto para obtenção de outros dados sensíveis — como o e-mail da conta da Apple, fundamental para conseguir entrar no iPhone. De posse desses dados, eles recuperavam senhas através de SMS disparado pelos provedores de serviços à linha móvel.

Com as informações de login do iCloud ou Google, eles simplesmente buscavam por arquivos com o termo “senha”, e no caso dos mais descuidados, encontravam as próprias anotadas pelo próprio usuário, que em muitos casos salvam em apps de blocos de notas e anotações as suas senhas do banco. Depois desta etapa, então, era possível devolver o chip ao aparelho roubado, e o golpe de roubo da conta bancária era então promovido, já que o aparelho subtraído já está, geralmente, credenciados para operações de internet banking do usuário.

Celulares roubados com a tela aberta valem mais para os receptadores

A Folha também apurou com policiais que investigam outros criminosos que tentam furtar celulares quando eles estão em uso pelos seus donos, ou seja, levados no golpe da “mão boba” — quando o smartphone é roubado enquanto a vítima é pega distraída digitando. Segundo os relatos, tão logo fogem do local, os bandidos abrem o app de câmera, que impede o desligamento automático da tela. Com isso, os interessados no roubo bancário podem pular diversas etapas — indo diretamente para a pesquisa local no aparelho pelas credenciais financeiras.

publicidade

A equipe que está na investigação busca descobrir outros métodos do mercado de roubos — como invasões reais por métodos de tecnologia. O Procon liberou um guia de limpeza de dados para usuários roubados, que podem eliminar parte das informações remotamente. Procurada pela Folha, a Apple não quis se manifestar a respeito.

Via Folha

Imagem: Adriana Calvo/Pexels