Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

O Facebook está investindo em um fundo de inovações para financiar grupos de jornalismo na Austrália. Ao todo, 170 jornais serão beneficiados com o apoio financeiro em um acordo de licenciamento. Essa ação da rede social surgiu após a aprovação de uma lei no país que obriga as grandes empresas de tecnologia a pagarem por notícias publicadas por veículos locais.

Quem idealizou o acordo foi o grupo Imprensa Nacional da Austrália (CPA em inglês), que luta pelos direitos dos pequenos grupos midiáticos no país. Um dos objetivos dessa parceria é criar uma ponte entre o investimento do Facebook (bem como outras techs) e mídias locais pequenas, como o The Bunyip, que tem uma circulação de 8750 exemplares, e o The Gympie Today, com números ainda menores.

publicidade

Termos do contrato, como o montante investido pelo Facebook, como a quantia será dividida entre as empresas de jornalismo participantes e o prazo de duração não foram revelados pela CPA. Seu presidente, Andrew Manuel, disse à Reuters que “o fundo irá ajudar a manter o jornalismo original que é acessado por comunidades regionais”.

A lei por trás disso

A lei que motivou o Facebook a criar esse fundo de investimentos em jornalismo foi aprovada em fevereiro deste ano. Trata-se de uma forma do governo australiano proteger sua mídia frente ao ganho que empresas de tecnologia obtêm por usarem esse tipo de conteúdo. Mas, essa lei não agradou muito o Google, que acabou arranjando alguns desentendimentos com o país.

No começo, a companhia do grupo Alphabet se recusou a pagar pelas notícias e, inclusive, demonstrou seu poder ao boicotar pesquisas pelos sites de jornalismo australianos. Após críticas por seu ato abusivo, o Google retrocedeu, mas comentou que poderia abandonar a Austrália caso a lei fosse aprovada. Contudo, a intriga parece ter encontrado um fim, já que o Google assinou um contrato milionário com grupos de jornalismo locais.

Via Reuters

publicidade

Imagem: courtneyk/iStock