Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

O Twitter começou a fazer uma varredura para eliminar de sua plataforma contas fake, com o propósito, segundo a rede social, de prevenir spam e manter todas as contas seguras. Como consequência dessa decisão, muitos dos usuários perceberam uma queda brusca no número de seguidores, e estão reclamando bastante disso.

Em nota, o Twitter afirmou que o objetivo da ação é proteger a integridade e a legitimidade das conversas em seu serviço. A plataforma informa que, regularmente, solicita que contas com comportamentos suspeitos em todo o mundo confirmem detalhes como senha ou número de celular, comprovando que existe uma pessoa por trás delas.

publicidade
Mas no Brasil…

Entretanto, mesmo sendo um procedimento realizado em todo o mundo, como apontado na nota, a remoção de contas fake do Twitter tem sido alvo de muitas reclamações aqui no Brasil. As mais estridentes partem do núcleo bolsonarista e da extrema-direita no país, que alegam (sem provas) que a ação da plataforma é parte de uma perseguição política.

Uma das vozes mais efusivas nesse sentido é a de Eduardo Bolsonaro, filho do atual presidente brasileiro. O deputado, que perdeu cerca de 15 mil seguidores até o momento, cogitou ser necessária uma medida do governo, inclusive por meio de publicação de decreto, para “acabar com esses abusos”. Outros que reclamaram em posts no próprio Twitter sobre perda de uma quantidade significativa de seguidores na rede social foram o atual secretário de Cultura, Mario Frias, e o ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub. Jair Bolsonaro teve uma redução de aproximadamente 14 mil seguidores em seu perfil no Twitter, segundo algumas informações encontradas na rede social.

Seguindo a nota do Twitter, até que cumpram a etapa de confirmação, as contas ficam temporariamente desabilitadas, com funcionalidades limitadas, e deixam de entrar no cálculo para contagem de seguidores. Isso significa que esses números podem oscilar quando o Twitter faz as checagens regulares globalmente.

Sobre o decreto cogitado pelo Senador Bolsonaro, o que estaria em jogo é a proibição das redes sociais retirarem informações do ar somente por julgarem que suas próprias políticas foram violadas pelos usuários. Além disso, haveria uma dificuldade ainda maior para as plataformas excluírem contas que compreendam como inadequadas junto aos seus termos de uso.

Via Folha de São Paulo

Imagem: Computerizer/Pixabay/CC