Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Que a App Store é vista por muitos como uma loja rígida demais para os desenvolvedores, isso muitos sabem. Mas a Maçã, que está se defendendo em um processo judicial iniciado pela Epic Games, começou a divulgar números que ela acredita que a defenderá nos tribunais. A Apple se defende dizendo que sua forte vigilância foi responsável por evitar que usuários perdessem bilhões com apps fraudulentos.

A cifra citada é de US$ 1,5 bilhão (R$ 7,89 bilhões em conversão direta hoje, 12/05). A empresa de Cupertino esclarece que em 2020 evitou que um milhão de apps problemáticos e outras um milhão de atualizações fossem ao ar pela App Store. De forma genérica, o impedimento acontecia quando o desenvolvedor inseria ferramentas ou APIs que não estavam documentadas no protocolo de submissão, além de outras razões.

publicidade

Além disso, aqueles apps fraudulentos que conseguiam ultrapassar as barreiras da Apple também foram contemplados no relatório: a companhia retirou 95 mil desses do ar por mudarem completamente a proposta de seus serviços após o lançamento — como apps de jogos mudando para plataformas de cassino — além de 215 mil que foram desativados após cometerem violações de privacidade. Foram, ainda, 150 mil desligados após a empresa analisar que se tratavam de cópias de outros serviços mais populares.

Estratégia de convencimento às vésperas da WWDC

Estes números sobre apps fraudulentos, claro, foram levados para o processo Apple x Epic Store. A empresa de Cupertino informou ainda que entre 2017 e 2019 pelo menos 500 funcionários, ao lado de sistemas de IA, analisaram cinco milhões de apps por ano. Graças a isso a Maçã alcançou uma taxa de rejeição à novas submissões na faixa dos 33% a 36%, evitando que a comunidade iOS entrassem em contato com apps fraudulentos — segundo os critérios da empresa.

Chama a atenção que Tim Cook tenha disponibilizado esses números antes da WWDC, evento para desenvolvedores no qual o CEO da Apple adora revelar as estatísticas da App Store. O motivo, porém, é claro: no evento, o executivo gosta de mostrar o lado positivo e rentável da loja. Mesmo que estes dados revisitados pelo julgamento sejam importantes, não são lá muito encorajadores para futuros aventureiros do ecossistema da Maçã.

Via Phone Arena

publicidade

Imagem: ymgerman/Getty Images