Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

O Comitê de Supervisão do Facebook, a entidade de moderação da rede social, passará a permitir que usuários façam apelos para remover conteúdos que consideram inadequado. Montada para tomar decisões independentes do CEO da empresa, a “Suprema Corte” da rede de Zuckerberg, como vem sendo chamada, receberá solicitações para a derrubada de publicações, páginas e perfis, bem como os argumentos dos usuários.

A opção se tornou disponível após um dos usuários esgotar as solicitações para exclusão de uma publicação no ar em uma das redes sociais de Zuckerberg. Agora, quando os usuários estiverem numa situação como essa, a solicitação para remover o conteúdo abrirá o código de um processo.

publicidade

Uma vez solicitada, os solicitadores terão de fazer uma defesa de por que a decisão dos moderadores estava errada. Embora qualquer usuário possa abrir um apelo para remoção de conteúdo, é o júri das políticas do Facebook que decidirá quais processos serão atendidos ou não.

Fundada especificamente para reavaliar decisões do Facebook, o Comitê de Supervisão iniciou suas atividades em fevereiro, revogando o banimento de quatro publicações. As decisões da Suprema Corte da rede social ultrapassam até as determinações do CEO da empresa, Mark Zuckerberg.

O objetivo final da Suprema Corte do Facebook é de criar uma moderação mais neutra para a rede social com os apelos de remover ou restaurar conteúdo. As decisões também criam novas recomendações para os termos de serviço e políticas de uso – que passa a funcionar como um sistema jurídico. No momento, a entidade também está lidando com decisões espinhosas, como a do banimento de Trump após os ataques ao Capitólio.

Via CNet

publicidade

Imagem: Sora Shimazaki/Pexels/CC