Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

A LG confirmou que está saindo do mercado de smartphones após mais de cinco anos acumulando apenas prejuízos com essa divisão dos seus negócios, assim, infelizmente dispositivos como o LG Rollable e o Rainbow nunca verão o mercado, mas um vazamento mostra visuais desses celulares que agora vão virar lendas.

A sul-coreana poderia inaugurar um nicho no mercado de dobráveis com o LG Rollable, que mediria 17 cm x 7,5 cm. Por mais que ele se expandisse para sair de um celular para tablet, seu mecanismo seria totalmente diferente do que vimos com os Galaxy Z Fold da Samsung. Afinal, não seria necessário desdobrá-lo, apenas liberar um botão que permitiria a expansão da tela até um tamanho maior.

publicidade

 

publicidade

Já o LG Rainbow seria o V70, que repetiria um pouco o visual do LG Velvet. Suas especificações, assim como as do LG Rollable, são desconhecidas, e assim permanecerão já que eles nunca virão a ser lançados. Aparentemente o plano da sul-coreana antes de encerrar suas operações era de voltar a ter dispositivos top de linha, já que por histórico essa é uma família de smartphones que sempre apostou em hardware avançado. É uma pena que o Rollable e o Rai

Imagem da parte traseira do LG Rainbow

Fim dos smartphones da LG

A LG possui 6,5% do mercado de celulares no Brasil, segundo informações da Statscounter. Na liderança temos a Samsung, de forma isolada. A Xiaomi acumula um crescimento interessante nos últimos dois anos, e está próxima da Apple, terceira que mais vende por aqui.

A desistência da LG, e o engavetamento dos projetos Rollable e Rainbow, podem mexer um pouco nesse ranking, mas é insuficiente para ameaçar a Samsung ou mesmo a Motorola. De toda forma, é um momento para que marcas aumentem sua participação. Como os principais produtos da fabricante no Brasil envolvem intermediários, é provável que o consumidor órfão da marca procure por esse tipo de aparelho na concorrência.

Via Phone Arena

Imagens: @FrontTron