Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

O parlamento do Reino Unido está considerando obrigar o Facebook a implementar backdoors para compartilhar acesso às mensagens dos seus serviços de chat para a polícia. As “portas dos fundos” permitiriam que as autoridades de segurança pudessem ler a conversa de qualquer um dos usuários do WhatsApp, Messenger e Instagram, e usar as informações coletadas em investigações.

O Ministério do Interior do Reino Unido justifica a medida distópica alegando a relação entre a rede social e o seu uso por pedófilos – um problema grave da rede social de Zuckerberg, que vem tomando suas medidas para evitar o pior. A instituição alega que a criptografia de ponta-a-ponta que o Facebook vem instalando nos seus serviços termina por proteger predadores sexuais infantis e outros atos criminosos.

publicidade

Para obrigar o Facebook a compartilhar o acesso das mensagens à polícia, o Ministério do Interior utilizaria uma medida especial, um Aviso de Capacidade Técnica. O recurso, introduzido em 2016 após as revelações de Edward Snowden sobre a vigilância governamental, regula os dados dos usuários, instalando um “backdoor autorizado” nos perfis, que só é aberto mediante autorização judicial. Com a mudança, não seria mais necessário esta autorização.

Até o momento, o Facebook não possui Avisos de Capacidade Técnica de seus usuários, e também não respondeu às declarações do Ministério do Interior. O governo do Reino Unido deverá levar o projeto ao parlamento nos próximos meses.

Organizações de proteção à privacidade, como o Open Rights Group, já se manifestaram contrárias às medidas do governo, pedindo para “resistirem aos impulsos orwellianos e perigosos de se intrometer nas mensagens privadas”. Importante lembrar que medidas como essa não circulariam no Brasil por conta da Lei da Proteção de Dados e dos direitos garantidos pelo Marco Civil da Internet.

Via The Guardian

publicidade

Imagem: TY Lim/Shutterstock