Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Após alguns incidentes com contas de líderes mundiais (ok, foi o Trump), algumas redes sociais precisaram tomar atitudes drásticas, como suspensão de perfis e até banimento definitivo. Contudo, o tema gera discussões quanto à democracia, liberdade de expressão e discurso de ódio e outros. E para tentar dar conta desse debate, o Twitter vai realizar uma pesquisa pública para entender como abordar perfis de políticos em sua rede e se eles devem ser banidos caso violem suas políticas de uso.

Em seu blog oficial, o a rede social explicou que deseja “ouvir o feedback das pessoas para saber se elas acreditam que líderes devem ou não estar sujeitos às mesmas regras que todo mundo que está no Twitter”. Além disso, o Twitter irá consultar especialistas em direitos humanos, organizações da sociedade civil e acadêmicos para poder entender quais medidas tomar em caso de políticos que usem seus perfis para disseminar ódio ou outras práticas inadequadas e se eles devem ser banidos.

publicidade

A pesquisa começa a ser feita hoje (19/3), porém estará disponível somente em inglês no momento. O post oficial comenta que as versões em outros idiomas, incluindo o português, devem ser liberadas ao público em breve. Os usuários que quiserem contribuir com suas opiniões terão até o dia 12 de abril, às 21h no horário de Brasília, para participar. A empresa não explicou como funcionará a dinâmica da pesquisa, mas é provável que haja algum pop-up que possa levar os usuários até o formulário.

Outra medida que vem sendo adotada pela rede social do passarinho azul é uma identificação de contas ligadas ao governo. Esses perfis estão ganhando selos próprios em países como a China, França, Reino Unido e outros. A ideia é permitir que os usuários tenham clareza de que se trata de um perfil de alguém no poder e saiba que esse pode ser um centro de informações oficiais.

Via Gadgets 360

Imagem: Joshua Hoehne (Unsplash)

publicidade