Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Diante das restrições a sua tecnologia de comunicação, a Huawei já está dando seus passos para ampliar seu leque de negócios. Ao que tudo indica, está de olho no mercado de carros elétricos. As informações quanto ao assunto ainda divergem, afinal as negociações não deixam claro de que forma a empresa pretende entrar para o ramo. Mas, alguns informantes já relataram algumas suspeitas.

A agência de notícias Reuters recebeu as informações de pessoas ligadas à marca chinesa. Os relatos indicam que a Huawei tem planos de fabricar veículos elétricos próprios, e é possível que lancem o primeiro modelo ainda este ano. Segundo as fontes, a empresa já está negociando com a automotiva estatal Changan para poder usar suas instalações. As negociações também estão acontecendo com a produtora de fontes de energia para veículos BluePark New Energy Technology (que pertence ao grupo chinês, também do Estado, BAIC).

publicidade

Questionada sobre os planos de começar a produzir carros elétricos, a Huawei respondeu à Reuters por meio de um representante. Na entrevista, o porta-voz negou que a chinesa esteja planejando produzir seus próprios veículos. Disse também que “o que queremos é nos tornarmos fornecedores de novos componentes e produtos digitais para automóveis”.

Crises da Huawei

A tentativa de entrar para um novo mercado não é uma guinada, mas sim uma ampliação dos negócios. E existem motivações muito claras para que a Huawei queira experimentar novas formas de aumentar sua entrada de caixa. A fabricante enfrentou problemas com o governo Trump, sendo banida (junto de outras “empresas comunistas chinesas”) dos EUA por suspeita de espionagem. E parece que o atual presidente planeja manter as barreiras contra os negócios chineses.

Além disso, a empresa passou por uma cisão nos ramos de produção de smartphones. A subsidiária Honor se separou comercial e judicialmente da Huawei e levou consigo as linhas de celulares da marca, o que gerou impactos nos números da fabricante.

publicidade