Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Hoje (24/02), o TikTok atualizou um relatório de transparência em seu site dizendo que removeu mais de 300 mil vídeos que promoveram manipulação ou desinformação eleitoral nos EUA. Antes da eleição, o TikTok anunciou que haveria uma verificação mais ampla de combater a desinformação eleitoral e fake news sobre o Covid-19. Porém, nesta época, o aplicativo estava sob pressão por parte da equipe de Trump, com suspeitas de vazamento de informações dos usuários americanos para o governo chinês.

Segundo o vice-presidente do TikTok, Michael Beckerman, a empresa está se comprometendo em transparecer as informações de como manterão o aplicativo seguro, com o objetivo de passar confiança para seus usuários. Beckerman ainda afirma que a plataforma é uma comunidade diversificada, e que a empresa busca sempre manter um ambiente propício para que todos as pessoas se sintam seguras para criar e compartilhar seus conteúdos.

publicidade

Além desses 300 mil vídeos, o TikTok removeu cerca de 1,7 milhão de “contas automatizadas” usadas na eleição presidencial nos EUA no ano passado. Sobre isso, o relatório aponta: “Embora não se saiba se alguma das contas foi usada especificamente para amplificar o conteúdo relacionado às eleições, era importante remover esse conjunto de contas para proteger a plataforma neste momento crítico”.

Além dessa batelada de vídeos e contas excluídos pelo TikTok, o comunicado revela que mais de outros 400 mil foram removidos do algorítimo de recomendações do app e também da página (e hashtag) “Para Você”. Até mesmo antes da eleição, o TikTok disponibilizou um tipo de guia eleitoral feito pela BallotReady na página “Descobrir” recomendada pelo app. Vale lembrar que agora, o TikTok também enfrenta problemas na Europa.

Via The Verge

Imagem: Amrothman (Pixabay)

publicidade