Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Se você alguma vez desconfiou que aquela travada no streaming do seu celular era por causa de ladrão de internet, chegou a hora da verdade: existe um app que identifica quais dispositivos estão fazendo roubo da sua Wi-Fi.

O dfndr security, app gratuito do dfndr lab da Psafe, permite que o usuário verifique quantos (e quais) aparelhos estão conectados à sua rede Wi-Fi. O aplicativo pede permissão para acessar a localização de seu dispositivo. Feito isso, uma tela escaneia a rede e lista os aparelhos conectados a ela. O programa ainda possui outros utilitários para o celular, como antivírus mobile, resfriador de CPU, limpeza de arquivos e acelerador de memória.

publicidade
sequencia de telas do dfndr security em ação

Imagem: Reprodução (dfndr lab/Psafe)

Quando testei a função em minha casa, o app detectou três dispositivos – meu computador, meu celular, e outro completamente desconhecido. Uma vez detectado um ou mais dispositivos suspeitos, o ideal é mudar completamente as configurações de sua rede, alterando nome e senha.

Risco subestimado

Segundo uma pesquisa do dfndr lab com cerca de 28 mil usuários, 41,63% dos usuários afirmou desconfiar que sua Wi-Fi estava sendo roubada. Das múltiplas opções, os principais motivos da suspeita eram internet lenta (82,76%), luz piscando no roteador (21,95%) e senha compartilhada (15,12%). A pesquisa concluiu também que 57,12% dos usuários não tomam medidas de proteção de rede, e dos métodos de proteção, o mais popular era o uso de uma senha segura (75,26%).

Em exclusiva com o especialista de segurança do dfndr lab, Emílio Simoni, o usuário de internet no Brasil ainda subestima os riscos que corre virtualmente. O especialista afirma que mudar a senha é um bom passo, mas ainda não é suficiente para proteger completamente. Roteadoras de provedoras de internet normalmente possuem códigos PIN padrão e que, via de regra, podem ser usados para resetar o modem, então, é interessante desativar a função WPS.

Uma vez que você fizer tudo isso e ainda detectar atividade ou dispositivos suspeitos, você pode adicionar os possíveis infiltradores na lista negra da sua rede. Cada aparelho possui um Endereço MAC, que pode ser bloqueado nas configurações do seu modem.

publicidade
Preço da negligência

Segundo Simoni, o roubo de Wi-Fi pode levar à golpes como os “Man in the Middle” (MitM), onde um app transforma um terceiro dispositivo no roteador e passa a intermediar todas as informações inseridas – inclusive senhas de banco e arquivos pessoais. A partir daí, o hacker pode usar os dados roubados para entrar na sua conta bancária, ou ainda, aplicar chantagem e extorsão.

Ataques MitM podem ser detectados por atividade no piscar luzes de rede do modem mesmo quando não há dispositivos conectados. Outro sinal gritante é de que lentidão: como os seus dados passam pelo interceptador antes de chegar na rede, quanto mais dados você envia, mais ela demora para retornar.

Dfndr lab foi responsável por identificar dados vazados de brasileiros

Recentemente, o dfndr lab identificou um gigantesco banco de dados na dark web com dados vazados de 220 milhões de brasileiros. O Procon-SP rejeitou a resposta da Serasa Experian, que teria sido responsável pelo vazamento.

Imagem: Mikhail Nilov (Pexels)