NotíciasEm meio a polêmica por racismo, Google indica mulher negra como líder de pesquisa de IA

Marina Schnoor2 semanas atrás6 min

A demissão da pesquisadora negra Timnit Gebru da Equipe de Inteligência Artificial Ética do Google ano passado gerou polêmica sobre racismo e censura, e deixou um clima pesado na companhia. Agora parece que o Google está tentando consertar as coisas, indicando a executiva negra Marian Croak para unificar a equipe interna de pesquisa com IA. Mas a decisão não parece ter feito muito mais que reacender a questão.

Entenda a polêmica sobre racismo no Google

Gebru escreveu um artigo criticando como o Google estava usando amplamente um modelo de aprendizado de máquina de uma maneira que poderia afetar minorias se nada fosse feito para abordar a questão. A companhia exigiu que Gebru derrubasse o artigo ou tirasse os nomes dos funcionários do Google dele, ou ela seria demitida. Quando a pesquisadora escreveu um e-mail interno reclamando das promessas de maior diversidade aparentemente vazias da empresa, ela foi desligada do Google.

Na época centenas de funcionários do Google e diversos acadêmicos escreveram uma carta aberta em apoio a Gebru. Uma das defensoras da pesquisadora é Margaret Mitchell, fundadora e líder da Equipe de Inteligência Artificial Ética da companhia, que mês passado foi afastada do Google e teve o acesso a sua conta corporativa revogado. Mitchell estava pesquisando exemplos de má conduta do Google para com Gebru.

Margaret Mitchell e Timnit Gebru se posicionaram no Twitter

Através de sua conta pessoal no Twitter, Mitchell disse que só ficou sabendo da indicação de Croak por uma matéria da Bloomberg, e que “parece que fui completamente apagada e minha equipe tirada de mim”.

Gebru escreveu no Twitter: “Tenho muito a dizer sobre isso depois. Mas anunciar uma nova líder mulher negra, como se fôssemos todas intercambiáveis, enquanto assediam, aterrorizam e fazem gaslighting com a minha equipe, e fazem ZERO para reconhecer e reparar os danos feitos, vai além do gaslighting”. Na época de seu desligamento, o Google afirmou que tinha sido Gebru que se demitiu da empresa.

Abril Christina Curley, outra defensora de Gebru e ex-recrutadora de diversidade do Google, tuitou: “Sinto muito, Timnit. O Google só quer passar fisicamente por cima de nós e nos cansar até o ponto de quebrar”. Curley já disse que foi demitida da companhia porque “eles cansaram de me ouvir expondo as merdas racistas deles”.

Enquanto isso, Croak, a nova líder da equipe de IA do Google, disse que quer encontrar uma saída diplomática para toda a polêmica envolvendo racismo e IA. “Há muito conflito no momento no campo, e as coisas podem ficar polarizadas. O que quero é que as pessoas tenham essa conversa mais diplomaticamente do que agora, para podermos realmente avançar nesse campo”, ela disse num post no blog do Google.

Via Android Central

Imagem: Paweł Czerwiński (Unsplash)