AplicativosAppleApple só vai aceitar apps sobre a vacinação contra Covid-19 de autoridades de saúde

Lucas Soares3 semanas atrás4 min

A Apple está se preparando para a onda de apps relacionados a vacinação contra a Covid-19 que estão surgindo na App Store, e vai limitar a autorização apenas para autoridades de saúde. Isso porque diversos serviços estão oferecendo uma espécie de “passaporte” da vacina, para você poder provar que recebeu o imunizante.

No entanto, a gigante de Cupertino está preocupada com eventuais fraudes relacionadas a isso que podem surgir, e assim, apenas aplicativos desenvolvidos em parceria com autoridades de saúde serão aceitos em suas plataformas.

Cuidados com o coronavírus

O anúncio foi feito na página de desenvolvedores da Apple e explica que a empresa vai verificar os apps ligados a passes de vacinação contra Covid-19. “Para garantir que esses aplicativos lidem com dados confidenciais com responsabilidade e forneçam funcionalidade confiável, eles devem ser enviados por desenvolvedores que trabalham com entidades reconhecidas por autoridades de saúde pública, como fabricantes de kits de teste, laboratórios ou prestadores de serviços de saúde”, diz o comunicado.

Isso não é novo, a Apple já toma essa atitude com apps relacionados a Covid-19 desde o começo da pandemia, mas agora isso fica reforçado para os passaportes que estão surgindo. Um exemplo aconteceu em um condado de Los Angeles, quando a secretaria de saúde do estado anunciou um aplicativo para armazenar dados de vacinação de seus 10 milhões de habitantes em parceria com uma startup. Nesse caso, como a fonte era oficial, o serviço foi aceito na App Store.

O problema é que a Apple entende que nem todos os governos vão ter estruturas para criar apps oficiais para isso, o que vai gerar uma série de aplicativos “piratas”, que, além de poderem falsificar esses passes, podem não ter uma garantia de segurança dos dados armazenados.

Em outra iniciativa, a gigante de Cupertino anunciou há alguns meses uma parceria com o Google para mostrar informações sobre a pandemia. A ideia é evitar Fake News e fornecer um espaço confiável.